Revistas

Entre as doenças ginecológicas, câncer de ovário é o mais silencioso e difícil de diagnosticar

FEBRASGO faz alerta às mulheres de todas as idades sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce dos mais diversos tipos de cânceres ginecológicos

 

São Paulo, setembro de 2022 - Cerca de 40% dos tumores diagnosticados em mulheres brasileiras são ginecológicos, sendo o de colo uterino o mais comum, segundo os dados mais recentes do INCA. O câncer de ovário é o segundo com maior incidência, seguido pelo de endométrio e os mais raros, o de vulva e o de vagina.

 

O câncer de ovário atinge cerca de 6 mil mulheres por ano no país e sua taxa de mortalidade é de 80%, o que o torna um dos cânceres mais letais de origem ginecológica. Segundo a Dra. Heloísa de Andrade Carvalho, membro da Comissão Nacional Especializada em Ginecologia Oncológica da FEBRASGO, o câncer de ovário é o mais silencioso e difícil de se diagnosticar precocemente. “O aumento do volume abdominal é o principal sintoma desse tipo de câncer”, explica a doutora.

 

Ela afirma que diagnóstico precoce é diferente de prevenção e que quanto antes for detectada a doença, maior a chance de cura. No caso do câncer de colo uterino, o teste de HPV, o exame de Papanicolau são métodos que auxiliam na detecção precoce desse tumor. Já, a vacina anti-HPV é o que vai prevenir o desenvolvimento do câncer. “Espera-se que em alguns anos esse tumor venha a ser erradicado”, diz a Dra. Heloísa.

 

Segundo informações passadas pela doutora, existe uma iniciativa da Organização Mundial da Saúde a "Estratégia global para eliminação do câncer do colo uterino" para a próxima década. A iniciativa é chamada de "90 70 90", que prevê que em 2030, 90% das meninas com até 15 anos no mundo estarão vacinadas contra o HPV, 70% das mulheres submetidas ao exame de rastreamento para detecção precoce e 90% com câncer pré-invasivo ou invasivo tratadas.

 

Já o câncer do endométrio, ou corpo uterino, está ligado ao excesso de estrogênio. Mulheres obesas, com hipertensão e diabetes estão mais sujeitas a esse tipo de câncer, diminuir esses fatores de risco ajudam na prevenção.

 

Para cada tipo de tumor existe um tratamento. “Como o ginecologista é quem vai fazer o diagnóstico, o recomendado é que um ginecologista especializado em oncologia faça a primeira orientação, avaliando principalmente se há indicação ou não de cirurgia”, explica Dra. Heloísa. Em casos mais avançados, é indicado o acompanhamento do oncologista clínico (quimioterapeuta), e radioncologista (radioterapeuta), “Lembrando que a abordagem multidisciplinar é fundamental no tratamento do câncer”, conclui a médica.

Febrasgo participa de seminário da OPAS - vacinação contra COVID-19 na infância e adolescência

Presidente da CNE de Vacinas, a Dra. Cecília Maria Roteli Martins representou a Febrasgo em evento promovido pela Coordenação-Geral do Programa Nacional de Imunizações (CGPNI/DEIDT/SVS/MS), com o apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS)

Entre os dias 22 e 23 de agosto, a Dra. Cecília Maria Roteli Martins, presidente da CNE de Vacinas, integrou a mesa de abertura do “Seminário Hesitação e seu Impacto na Vacinação na Infância e Adolescência, no Contexto da Covid-19 na região Norte”, realizado em Rio Branco, Acre, pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS/OMS) e Ministério da Saúde.

Participaram do evento os coordenadores estaduais de imunização, assessores técnicos dos Cosems e representantes das sociedades brasileiras de pediatria e imunizações. A Dra. Cecília Maria Roteli Martins, presidente da CNE de Vacinas e representante da Febrasgo durante o debate comentou que, durante os dois dias, foram discutidos e apresentados questões sobre a hesitação vacinal com foco nos acontecimentos ocorridos no Acre e a atuação dos grupos anti vacina.

Grata pelo convite, a Dra. Cecília apresentou a palestra “Eficácia, segurança das vacinas HPV e a perspectiva da eliminação do câncer cervical no Brasil” e das discussões que ocorreram no local do evento. “Nossa participação foi com relação à eficácia, da segurança e a perspectiva da vacinação do HPV na eliminação do câncer de colo de útero no Brasil e o panorama da vacinação da Covid-19 na infância e na adolescência”, comenta Dra. Cecília.

“Foram dois dias de debates com conclusões e encaminhamentos importantíssimos, com toda a estrutura voltada para esse seminário. Foi uma participação muito importante”, completou a representante.





Ingestão adequada de nutrientes reflete positivamente na Saúde da Mulher, especialmente as gestantes, alerta FEBRASGO

Desde 2021 e fiel ao seu compromisso com a Saúde da Mulher, a FEBRASGO promove a campanha Nutrindo o Amor que, através de conteúdos informativos e ações offline, busca abrandar os impactos da ingestão nutricional insuficiente por meio de ações educativas, informativas e conscientização

Em 31 de agosto é celebrado o Dia do Nutricionista, de acordo com o calendário do Ministério da Saúde. Em referência à data, a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) volta a reforçar a importância de uma alimentação equilibrada na Saúde da Mulher, especialmente no que tange a ingestão balanceada de nutrientes. No decorrer da gestação, o compromisso quanto à alimentação aumenta, visto que isso afeta diretamente no perfeito desenvolvimento do bebê.

 

Segundo dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan), em 2020, 14,2% das gestantes apresentaram baixo peso para a idade gestacional, 6,1% das crianças menores de 5 anos estavam com a magreza acentuada ou magreza e 13,0% delas com baixa estatura para a idade.

 

O obstetra Olímpio Barbosa de Moraes, diretor da Febrasgo e também diretor clínico do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), explica que uma boa alimentação na gravidez, pode garantir uma gestação e um recém-nascido saudável. “A grávida deve evitar alimentos processados com alta densidade calórica, alimentos de alto teor de gordura e sódio, e os excessos de carboidratos” destaca Olimpio.

 

O especialista esclarece sobre o peso ideal durante a gestação, para aquelas com peso normal antes de engravidar, o ganho deve variar entre 11,5 a 16 Kg. Aquelas com baixo peso: entre 12,5 a 18Kg.  Já para aquelas com sobrepeso e obesa no máximo 11,5 a 9Kg.

 

A nutrição no momento pré-natal abrange mais que o ganho de peso e ingestão calórica. Certamente, a ingestão diária recomendada (IDR) de muitos nutrientes aumenta durante a gestação. Vale ressaltar que a única fonte de nutrientes do bebê provém da ingestão e reservas nutricionais materna.

 

A falta de nutrientes pode causar uma deficiência de micronutrientes que acontece quando a gestante não consome quantidades suficientes destes para manter o funcionamento adequado do organismo e o desenvolvimento do bebê, sendo capaz de causar uma série de efeitos adversos à mãe e ao bebê a curto e longo prazo.

 

O Dr. Olimpio alerta como que deficiência nutricional pode afetar a gestação “pode limitar o ganho de peso materno e comprometer o desenvolvimento fetal com sequelas graves, como por exemplo déficit cognitivo da criança, doenças e malformações neurológicas, maior risco de parto prematuro, restrição de crescimento fetal e morte neonatal” salienta.

 

Campanha Nutrindo Amor

Visando fazer um alerta para o papel da alimentação em todo o processo gestacional. Pensando nisso, a Febrasgo lançou em 2021 a Campanha Nutrindo Amor que, através de conteúdos informativos e ações offline, busca abrandar os impactos da ingestão nutricional insuficiente por meio de ações educativas, informativas e conscientização.

 

Durante palestra em evento da campanha realizado no CISAM, em Pernambuco, a Dra. Maira Pinho-Pompeu, uma das nutricionistas da Campanha, apresentou dados aos presentes, como uma lista de principais condições apresentadas pelas gestantes brasileiras, entre elas, diabetes gestacional, anemia e síndromes hipertensivas gestacionais. Segunda ela, baseada em uma pesquisa do The Journal of Maternal-Fetal & Neonatal Medicine da qual fez parte, 25% das calorias ganhas pelas gestantes pesquisadas vinham de alimentos ultraprocessados.

 

Na lista de dicas para alimentação saudável para gestantes, além da realização de três grandes refeições ao dia (café da manhã, almoço e jantar), a Dra. Maira ainda incluiu durante o evento a opção por alimentos in natura e vegetais verde-escuros diariamente; consumo de 5 porções de frutas por dia, leguminosas pelo menos três vezes na semana, além de sementes e castanhas; hidratação; e suplementação e medicações sob orientação médica.

 

A campanha apresenta de maneira prática e didática, por meio de conteúdo nas redes sociais, site, lives e materiais ricos (como e-books e livretos de receitas), dicas para identificação de caminhos nutricionais que possam amenizar os cenários de falta de recursos, no caso daquelas que sofrem com escassez de alimentos abundantes, gás e luz.

Monkeypox ou Varíola do Macaco e atendimentos em Clínicas de Reprodução - Atenção e Cuidados

Posicionamento das Sociedades Latino-americanas de Reprodução Humana e Ginecologia e Obstetrícia

A infecção viral conhecida como Monkeypox (MPXV), originalmente endêmica de regiões da África Central e do oeste africano, tem sido reportada em diversos países do mundo, incluindo América do Norte, Europa e o Brasil, onde não havia sido previamente relatada. Recentemente, a Organização Mundial da Saúde declarou a doença como uma emergência global em função do rápido crescimento dos casos.
 
Página 4 de 92