Notícias

Anticoncepção e Sexualidade: Dúvidas Frequentes

Quarta, 05 Dezembro 2018 13:57

O sexo é um ponto importante da qualidade de vida, afetando os aspectos físico e psicológico. Diferentes fatores como saúde, problemas emocionais, estresse e hormônios afetam a função sexual. Por outro lado, a contracepção mudou a sexualidade feminina. A possibilidade de sexo sem gravidez é tida como certa pela maioria das mulheres e facilita a disponibilidade sexual. Consequências potenciais para a resposta sexual feminina estão ligadas aos vários métodos contraceptivos em uso atualmente. Um aspecto muito pouco estudado dos contraceptivos é a sua aceitação sexual, ou como os métodos influenciam as experiências sexuais do usuário, podendo influenciar as preferências e práticas do planejamento familiar. Existem algumas perguntas que nos são feitas com frequência:

  • A Pílula leva à Disfunção Sexual?

          A sexualidade feminina é complexa, refletindo a interação de muitos fatores, incluindo determinantes físicos, emocionais, psicossociais e culturais. Um potencial mecanismo de diminuição do desejo após o uso de Contraceptivos Orais Combinados (COC) tem sido sugerido como sendo o aumento induzido pela produção de Globulina Transportadora de Hormônios Sexuais (SHBG). Níveis elevados desta proteína aumentarão a ligação da testosterona circulante e, assim, reduzirá a testosterona livre e biologicamente ativa. Além disso, os COCs inibem a produção de andrógenos nos ovários e níveis reduzidos de testosterona biodisponível podem prejudicar a função sexual.

                      Em um ensaio clínico randomizado controlado por placebo de um COC contendo Etinilestradiol (EE) e Levonorgestrel sobre a função sexual em mulheres, não foi encontrada redução significativa na função sexual global  nas usuárias do contraceptivo em relação ao placebo, mas houve prejuízo nos domínios de desejo sexual e excitação, enquanto o orgasmo, a preocupação, a capacidade de resposta e a auto-imagem não foram significativamente afetados. Além disso, a frequência média de satisfação de episódios sexuais e sofrimento pessoal não foi significativamente diferente entre os grupos. Assim, os resultados indicam que o uso de COC pode diminuir alguns aspectos da função sexual.  

            Por outro lado, a segurança da contracepção e os benefícios não contraceptivos podem fazer com que as mulheres optem por métodos hormonais, apesar de possível alteração nesses aspectos da função sexual. Em um trabalho feito com mais de 3 mil jovens suecas, através de questionários, Independentemente do tipo de método, 27% das usuárias de contraceptivos hormonais relataram uma diminuição no desejo sexual que atribuíram ao uso do método, enquanto apenas 12% das mulheres que usaram contraceptivos livres de hormônios relataram uma diminuição no desejo sexual (p <0,01). No entanto, 88% delas estavam satisfeitas com o método e a maioria das usuárias de contraceptivos hormonais (85%) relatou pelo menos um efeito positivo do método: estes incluíram ansiedade reduzida em ter uma gravidez indesejada (44%), sangramento mais regular e reduzido (46-54%) e dismenorreia reduzida ( 43%).

  • Qual é a melhor pílula em relação à alteração no desejo sexual?

Com relação aos COC, as composições com progestágenos mais androgênicos poderiam contrabalançar em parte a diminuição da produção de testosterona e a diminuição da testosterona livre circulante, ocasionadas pelo EE dos contraceptivos. Além disso, os novos compostos com estradiol natural (valerato e 17β), além de interferirem menos na produção hepática de SHBG, portanto não diminuindo tanto a testosterona livre, têm um efeito melhor sobre a mucosa vaginal do que o EE, visto que o ressecamento vaginal é queixa frequente de pacientes usuárias de COC com EE. Por outro lado, os CO só com progestágeno (POP), podem ser uma opção, pois, por não alterarem a SHBG, não diminuem  a testosterona livre circulante. Um trabalho usando esse tipo de contraceptivo em mulheres de Edimburgo (Escócia) e Manilla (Filipinas), não mostrou alteração na função sexual.

  • Quando a paciente refere redução no desejo sexual com o uso da pílula, qual método poderia ser oferecido?

Em primeiro lugar é importante excluir outras causas para a diminuição do desejo sexual, tais como: relacionamento conflituoso, outros medicamentos como antidepressivos, doenças sistêmicas, violência sexual prévia. O DIU de Cobre, dos métodos com maior eficácia, seria o que menor influência tem sobre a função sexual, pois é um método não hormonal. Apesar disso, o aumento de fluxo e uma possível dismenorreia poderiam influenciar negativamente na função sexual. O SIU-LNG, com um progestágeno androgênico, com mais ação local do que sistêmico, poderia ser uma opção interessante nessas situações. Um trabalho comparou o DIU de cobre e o SIU com LNG com relação à função sexual e não encontrou diferença estatística entre ambas as usuárias. Apesar disso, 25% das usuárias, tanto de DIU de cobre quanto do SIU de LNG referiram diminuição do desejo após início do uso.

 Sem dúvida, a maneira como os métodos anticoncepcionais afetam o bem-estar das mulheres é importante para sua adesão ao método, o que influencia a continuação e, ao longo do tempo, a exposição à gravidez indesejada. Além disso, esses efeitos são importantes independentemente de os métodos serem “verdadeira” ou unicamente responsáveis por quaisquer alterações sexuais.  Mesmo que os fatores estresse, fadiga e / ou relação sejam mais propensos às causas das disfunções sexuais, a percepção das mulheres sobre o que causou essas mudanças acabará moldando a aceitabilidade e os comportamentos contraceptivos.

 


Deixe um comentário