Notícias

Pesquisadores desenvolvem ovário artificial

Sexta, 27 Julho 2018 12:32

Dinamarqueses anunciam criação de órgão que receberá os folículos ovarianos até que a paciente possa recebê-los de volta

        Pesquisadores dinamarqueses divulgaram o desenvolvimento de um ovário artificial que permitirá a gestação em mulheres inférteis devido à quimioterapia e radioterapia. O anúncio ocorreu durante encontro anual da Sociedade Europeia de Reprodução Humana, em Barcelona, na Espanha.

        “A proposta dos estudiosos da Dinamarca é retirar o folículo ovariano e estimulá-lo fora do útero para obter óvulos. Quando retirados, eles ficam em uma estrutura majoritariamente de colágeno, obtida a partir de células ovarianas. Isso é o que eles chamam de ovário artificial”, explica o ginecologista Rui Alberto Ferriani, vice-presidente da Comissão Nacional Especializada de Reprodução Humana, da FEBRASGO. Desta forma, prossegue o médico, quando reimplantados, a mulher poderá uma gravidez normal, sem a necessidade de fazer fertilização in vitro.

        O tratamento para combater o câncer pode causar a infertilidade. Atualmente para mulheres que serão submetidas a quimioterapia ou radioterapia recomenda-se o congelamento de óvulos e  quando  querem engravidar precisam fazer fertilização in vitro.

        Outra opção é remover parte do tecido ovariano e congelá-lo antes do início do tratamento. Quando a paciente estiver curada, é reinserido no organismo para viabilizar uma gravidez natural.

        “A lesão do ovário pela quimioterapia é um problema. Então dispomos da fertilização ou da remoção do tecido para que essa mulher possa ser mãe. A dificuldade dessa última técnica é que o tecido pode conter células cancerígenas e quando reinserimos existe a possibilidade de o câncer reincidir”, ressalta Ferriani.

        O médico ainda alerta: a infertilidade depende do tipo de quimioterapia e da idade da paciente.

        “Não são todos os tratamentos com quimioterapia que deixam a mulher infértil. A idade mais avançada e alguns tipos de quimioterapia podem ter um impacto maior sobre a função do ovário”.

        A técnica poderá beneficiar também mulheres com esclerose múltipla e beta-talassemia, que passam por tratamentos agressivos, e aquelas com menopausa precoce.

        Ainda na fase inicial de desenvolvimento, o ovário artificial deverá ser testado em humanos dentro de 5 a 10 anos, segundo informação dos pesquisadores.


Deixe um comentário

Mais sobre o assunto

COMUNICADO URGENTE SOBRE AS ELEIÇÕES

COMUNICADO URGENTE SOBRE AS ELEIÇÕES

COMUNICADO URGENTE SOBRE AS ELEIÇÕES   Considerando não ter ...
COMUNICADO IMPORTANTE SOBRE AS ELEIÇÕES

COMUNICADO IMPORTANTE SOBRE AS ELEIÇÕES

Prezados Presidentes das Federadas FEBRASGO Nos dias 28 e 29 de junho ...
Manifestação da FEBRASGO sobre abusos sexuais  de médico do Ceará

Manifestação da FEBRASGO sobre abusos sexuais de médico do Ceará

A FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia ...