Notícias

Estilo de vida, fatores modificáveis, obesidade e saúde psíquica. Um olhar sobre a saúde das mulheres através da gravidez, parto e puerpério

Quarta, 05 Dezembro 2018 14:09

No final de 2015 a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) que dão continuidade, de maneira mais ampla e abrangente, às metas do milênio que vigoraram até 2015.

Os ODS têm como objetivo geral "boa saúde, bem-estar, possibilidade de desenvolvimento sustentável para todos” e inclui dezessete itens, entre os quais: assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar (item 3); assegurar a educação inclusiva e equitativa de qualidade (item 4); alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas (item 5) e redução das desigualdades (item 10). Tais metas se relacionam, de forma mais ou menos direta, com a saúde da mulher (1).

O conceito de saúde pode ser entendido de uma maneira simplista como a “não-doença” ou então, num sentido mais amplo, englobando cinco itens: nutrição, atividade física, controle do estresse, qualidade de relacionamentos e comportamento preventivo, além da ausência de doenças (2,3). Isso leva os profissionais de saúde a terem que repensar suas funções, principalmente o médico que deverá compreender que seu trabalho consiste não apenas em tratar as doenças, mas também, de maneira preventiva, promover saúde para a população com que trabalha (3).

A gestação é uma janela de oportunidades para as ações de promoção de saúde, pois as mulheres estão muito próximas aos serviços e profissionais de saúde. Além da quantidade de consultas e atendimentos, estão sensibilizadas e dispostas a colocar em prática o que se sabe sobre promoção de saúde, mas não se pratica. Os profissionais de saúde, por sua vez, precisam estar atentos a isso e aproveitar essa oportunidade e trabalhar das mais diversas formas para que esse momento seja um ponto de partida para aquisição de hábitos de vida saudáveis durante a gestação e que idealmente se perpetuem após o parto.(4,5).

Fisiologicamente a gravidez e o aumento do peso estão interligados em um padrão complexo, que inclui vários fatores associados ao de estilo de vida como o comportamento alimentar, atividade física, cessação do tabagismo e controle do estresse (6). Esses fatores podem ser abordados durante a gestação para que melhores resultados maternos, neonatais e em longo prazo para a vida da mulher sejam obtidos.

Isso torna-se relevante ao considerarmos que a obesidade é um dos principais problemas de Saúde Pública da atualidade, e nessa epidemia mundial, o número de mulheres em idade reprodutiva com obesidade também é crescente. Segundo estimativas da OMS, 1,9 bilhões de adultos apresentam sobrepeso e aproximadamente 600 milhões são obesos (7). No Brasil, a prevalência de sobrepeso e obesidade entre adultos era 52,5% e 58,4% no ano de 2013, entre homens e mulheres respectivamente. Além disso, a ocorrência de sobrepeso e obesidade é maior entre indivíduos jovens, crianças e mulheres em idade reprodutiva (8). A gestação está incluída na lista dos fatores clássicos desencadeantes da obesidade (8).

A obesidade  materna  e o ganho de peso excessivo na gestação estão associados ao aumento de complicações antenatais, intraparto, pós-parto e complicações neonatais (9,10). Uma revisão sistemática recente reforça a importância de mudanças no estilo de vida e de como exercícios e dieta interferem na adequação do ganho de peso gestacional e redução do diabetes gestacional, hipertensão e parto por cesariana (11)

Além disso existe correlação entre o risco de desenvolvimento de doenças na vida adulta e o ambiente ao qual o indivíduo foi exposto no meio intrauterino. Respostas do indivíduo ao ambiente após o nascimento podem ser moduladas por adaptações ainda no útero, de modo que a deficiência ou o excesso de nutrientes maternos programam uma suscetibilidade de desenvolvimento de doenças metabólicas mais tardiamente (12). Estudos experimentais demonstram que o ambiente intrauterino possui papel central no risco de obesidade e na programação genética e metabólica da prole (13).

A crescente tendência do início precoce da puberdade se associa a fatores genéticos e não genéticos (ambientais, estado nutricional, sedentarismo e condições sócio-econômicas). Meninas que apresentam menarca precoce são propensas a desenvolver sobrepeso na vida adulta, e ainda gestação precoce (14,15).

O ganho de peso excessivo na gestação traz o risco da retenção de peso pós-gestacional, que por sua vez aumenta o risco para desenvolvimento de comorbidades tanto em gestações futuras como no decorrer da vida da mulher. (16 -19).

Ainda que a obesidade seja determinada pelos aspectos biológicos, sua associação a fatores psicológicos é relevante para o manejo clínico de indivíduos obesos (20). Dentro das teorias psicodinâmica, a obesidade pode ser vista como a expressão de uma determinada estrutura psíquica, envolvendo uma complexa trama de dificuldades emocionais e de interação com o meio, vivenciadas em fases precoces do desenvolvimento humano  e o apoio psicológico é uma ação importante nos cuidados com mulheres com ganho de peso excessivo ou obesidade, ajudando a prevenir a obesidade materna em longo prazo (21).

Um estudo sobre gravidez e o ganho de peso indicou que a retenção de peso pós-parto foi mais afetada por mudanças de estilo de vida durante e após a gravidez do que por fatores pré-gestacionais (22). Ou seja, a intervenção comportamental durante a gravidez pode reduzir a retenção de peso pós-parto e melhorar a alimentação e autocuidado (23). 

 Existem lacunas na literatura sobre o assunto e apesar do conhecimento, pouco se modificam os hábitos de vida e consequentemente os resultados relacionados (24). A elaboração de medidas ampliadas no acompanhamento das mulheres durante a gestação e puerpério pode ser uma oportunidade de proporcionar o desenvolvimento de um estilo de vida saudável que pode, em longo prazo, se associar à melhor condição de saúde da população feminina. 

Fernanda Garanhani de Castro Surita, Professora Livre-docente do Departamento de Tocoginecologia da Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP.

 

  1. Sustainable Development Goals - http://www.un.org/sustainabledevelopment/sustainable-development-goals/

 

  1. Nahas, M. V.; Barros, M. V. G.; Francalacci, V. L. O pentáculo do bem-estar: base conceitual para avaliação do estilo de vida dos indivíduos ou grupos. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Pelotas, v. 5, n. 2, p. 48-59, 2000.

 

  1. Livingstone KM, McNaughton A healthbehavior score is associated with hypertension and obesity among Australian adults. Obesity (Silver Spring). 2017 Jul 16. doi: 10.1002/oby.21911

 

  1. Smith D, Lavender T. The maternity experience for women with a body mass index > 30 kg/m2: a meta-synthesis. BJOG. UK. 2011; 118(7):779–89.

 

  1. Phelan S. Windows of Opportunity for Lifestyle Interventions to Prevent GestationalDiabetes Mellitus.Am J Perinatol. 2016 Nov;33(13):1291-1299. Epub 2016 Aug 3

 

  1. Yeo S, Walker JS, Caughey MC, Ferraro AM, Asafu-Adjei JK. What characteristics of nutrition and physical activity interventions are key to effectively reducing weight gainin obese or overweight pregnant women? A systematic review and meta-analysis. Obes Rev. 2017 Apr;18(4):385-399. doi: 10.1111/obr.12511. Epub 2017 Feb 8. Review

 

  1. World Health Organization (WHO). Obesity and overweight. Geneva 2014. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/en/

 

  1. NgM1Fleming T1Robinson M1et all. Global, regional, and national prevalence of overweight and obesity in children and adults during 1980-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013.  2014 Aug 30;384(9945):766-81. doi: 10.1016/S0140-6736(14)60460-8. Epub 2014 May 29.

 

  1. CatalanoP1deMouzon SH1 Maternal obesity and metabolic risk to the offspring: why lifestyle interventions may have not achieved the desired outcomes. Int J Obes (Lond). 2015 Apr;39(4):642-9. doi: 10.1038/ijo.2015.15. Epub 2015 Jan 5.

 

  1. Goldstein RF, Abell SK, Ranasinha S, Misso M, Boyle JA, Black MH, Li N, Hu G, Corrado F, Rode L, Kim YJ, Haugen M, Song WO, Kim MH, Bogaerts A, Devlieger R, Chung JH, Teede HJ. Association of Gestational Weight Gain With Maternaland Infant Outcomes: A Systematic Reviewand Meta-analysis. JAMA. 2017 Jun 6;317(21):2207-2225. doi: 10.1001/jama.2017.3635

 

  1. International Weight Management in Pregnancy (i-WIP) Collaborative Group.Effect of diet and physical activity based interventions in pregnancy on gestational weight gain and pregnancy outcomes: meta-analysis of individual participant data from randomised trials. BMJ. 2017 Jul 19;358:j3119. doi: 10.1136/bmj.j3119. Review

 

  1. Agosti M, Tandoi F, Morlacchi L, Bossi A.Nutritional and metabolic programming during the first thousand days of life. Pediatr Med Chir. 2017 Jun 28;39(2):157. doi: 10.4081/pmc.2017.157.

 

  1. Banik A, Kandilya D, Ramya S, Stünkel W, Chong YS, Dheen ST.

Maternal Factors that Induce Epigenetic Changes Contribute to Neurological Disorders in Offspring. Genes (Basel). 2017 May 24;8(6).

 

  1. Salgin B, Norris SA, Prentice P, Pettifor JM, Richter LM, Ong KK, Dunger DB. Even transient rapid infancy weight gain is associated with higher BMI in young adults and earlier menarche. Int J Obes (Lond). 2015 Jun;39(6):939-44.

 

  1. Min J, Li Z, Liu X, Wang Y. The association between earlymenarche and offspring's obesity risk in early childhood was modified by gestational weight gain. Obesity (Silver Spring). 2014 Jan;22(1):19-23.

 

  1. Ronnberg A, Hanson U, Ostlund I, Nilsson K Effects on postpartum weightretention after antenatal lifestyle intervention - a secondary analysis of a randomized controlled trial. Acta Obstet Gynecol Scand. 2016 Sep;95(9):999-1007.

 

  1. Godoy AC, Nascimento SL, Surita FG A systematic review and meta-analysis of gestational weight gain recommendations and related outcomes in Brazil. Clinics (Sao Paulo). 2015 Nov;70(11):758-64.

 

  1. Nascimento SL, Surita FG, Godoy AC, Kasawara KT, Morais SS.Physical Activity Patterns and Factors Related to Exercise during Pregnancy: A Cross Sectional Study. PLoS One. 2015 Jun 17;10(6):e0128953

 

  1. Bogaerts A, De Baetselier E, Ameye L, Dilles T, Van Rompaey B, Devlieger R. Postpartumweight trajectories in overweight and lean women. Midwifery. 2017 Jun;49:134-141

 

  1. Brasil Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção de Saúde. Vigitel Brasil 2012. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, 2013.

 

  1. Christenson A, Johansson E, Reynisdottir S, Torgerson J, Hemmingsson E Women's Perceived Reasons for Their Excessive PostpartumWeight Retention: A Qualitative Interview Study. PLoS One. 2016 Dec 9;11(12):e0167731.

 

 

  1. Phelan S,Phipps MGAbrams BDarroch FGrantham KSchaffner AWing RR. Does behavioral intervention in pregnancy reduce postpartum weight retention? Twelve-month outcomes of the Fit for Delivery randomized trial. Am J Clin Nutr. 2014 Feb;99(2):302-11.

 

  1. Vinter CA,Jensen DMOvesen PBeck-Nielsen HTanvig MLamont RFJørgensen JS. Postpartum weight retention and breastfeeding among obese women from the randomized controlled Lifestyle in Pregnancy (LiP) trial. Acta Obstet Gynecol Scand. 2014 Aug;93(8):794-801.

 

  1. Rogozińska E, Marlin N, Yang F, Dodd JM, Guelfi K, Teede H, Surita F, Jensen DM, Geiker NRW, Astrup A, Yeo S, Kinnunen TI, Stafne SN, Cecatti JG, Bogaerts A, Hauner H, Mol BW, Scudeller TT, Vinter CA, Renault KM, Devlieger R, Thangaratinam S, Khan KS; i-WIP (International Weight Management in Pregnancy) Collaborative Group.Variations in reporting of outcomes in randomized trials on diet and physical activity in pregnancy: A systematic review. J Obstet Gynaecol Res. 2017 Jul;43(7):1101-1110.

 


Deixe um comentário