LGBTQIAP+ acima dos 50 anos não procuram serviços de saúde por medo da discriminação.

Quarta, 28 Junho 2023 12:16

Segundo pesquisa recente publicada na revista científica Clinics, conduzida por pesquisadores do Hospital Albert Einstein e da Faculdade de Medicina de São Paulo, a população LGBTQIAP+ (lésbicas, gays, bissexuais, transsexuais, queers, intersexo, assexuais, panssexuais e outras variações que não se enquadram na binariedade masculino-feminino, tanto do ponto de vista gênero quanto de sexualidade) acima dos 50 anos não frequenta consultórios médicos tanto quanto deveria. O relatório, que avaliou as respostas de 6.693 pessoas, sendo 1.332 identificadas como parte do grupo LGBTQIAP+, apontou que 31% dessa população se encontra na pior faixa de acesso à saúde do Brasil.

 

“As maiores dificuldades enfrentadas pelo público LGBTQIAP+ acima dos 50 anos é ter acesso a exames preventivos. Essa faixa etária demanda mais cuidados com relação à necessidade de realização de exames preventivos para várias doenças, inclusive o câncer”, relata a Dra. Andrea Cronemberger Rufino, membro da Comissão Nacional Especializada em Sexologia da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO).

 

Ainda segundo os dados, 74% das mulheres que se identificaram como heterossexuais na pesquisa relataram ter feito ao menos um exame de mamografia, enquanto mulheres do grupo LGBTQIAP+ configuraram apenas 40%. A relação dessas mulheres que já fizeram exames preventivos para o câncer de colo de útero é de 73% para heterossexuais e, apenas, 39% de LGBTQIAP+.

 

“Há uma hesitação em procurar os serviços de saúde por medo da discriminação ou por já ter tido uma experiência de violência anteriormente”, explica a médica da FEBRASGO. Essa fala reforça outro dado da pesquisa que mostrou que 53% dessa população não acham que médicos saibam lidar com as particularidades da saúde de uma pessoa LGBTQIAP+.

 

Desafios

 

“Primeiro desafio é entender o conceito de identidade de gênero e conhecer as particularidades de saúde dessa população e se preparar para lidar com essas especificidades para evitar negligenciar as demandas e garantir atendimento humanizado”, aponta a ginecologista.

 

Os receios relatados abrangem tanto o Sistema Único de Saúde como a saúde privada, uma vez que esse grupo não se vê amparado por nenhum dos sistemas e se sente discriminado por serem LGBTQIAP+ e por pertencer a geração 50+.

 


Mais conteúdos

Estatuto da Criança e do Adolescente e o acesso à saúde

Estatuto da Criança e do Adolescente e o acesso à saúde

FEBRASGO reforça a importância do ECA para a ...
Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal

Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal

Confira o conteúdo DIRETRIZ NACIONAL DE ASSISTÊNCIA AO ...
Nota Oficial: posicionamento da AMB sobre a regulamentação da Reforma Tributária

Nota Oficial: posicionamento da AMB sobre a regulamentação da Reforma Tributária

A Associação Médica Brasileira (AMB), representando as federadas ...

Para otimizar sua experiência durante a navegação, fazemos uso de cookies. Ao continuar no site consideramos que você está de acordo com a nossa Política de Privacidade.

Aceitar e continuar no site