Da adolescência à menopausa, saúde da mulher requer olhar especial, diz FEBRASGO

Quinta, 06 Abril 2023 16:31

Da adolescência à pós-menopausa, as mulheres precisam de cuidados médicos integrados, que levam mais qualidade de vida, além de prevenir doenças ginecológicas

Em 7 de abril, celebra-se o Dia Mundial da Saúde, data proposta pela Organização Mundial da Saúde, que visa a conscientização sobre a criação de políticas voltadas ao bem-estar da população. A preocupação e os cuidados com a saúde devem fazer parte da rotina de qualquer pessoa, mas quando se fala na saúde da mulher a atenção deve ser ainda maior.

A Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) orienta que mulheres precisam de cuidados médicos em todos os ciclos de vida, que vão desde da adolescência à pós-menopausa. Entre os fatores que devem ser observados estão alterações do ciclo menstrual, sangramentos transvaginais anormais, sangramentos após a menopausa, dor pélvica aguda ou crônica, nódulos mamários, infertilidade, corrimentos vaginais, úlceras genitais, verrugas vulvares, dor ao urinar, incontinência urinária, dor durante a relação sexual e alterações na sexualidade.

Infância e Adolescência

Na adolescência, a consulta com o ginecologista tem como principal objetivo cuidar das mudanças que naturalmente acontecem no corpo das meninas. Nessa fase, as adolescentes deveriam realizar a sua primeira consulta por volta dos 10 anos - lembrando que a adolescência é o período entre 10 e 19 anos de idade, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

A Dra. Claúdia Barbosa Salomão, membro da Comissão Nacional Especializada em Ginecologia Infanto Puberal da FEBRASGO, explica: “A adolescência é um momento muito interessante de nós, médicos, captarmos essa paciente, porque ela apresentará um nível de constrangimento menor. Sendo assim, a consulta fica mais fluida e descontraída, criando confiança e familiaridade com o profissional de saúde”, destaca.

 

No entanto, a médica alerta que as adolescentes costumam procurar o médico depois da primeira menstruação, habitualmente motivadas por uma irregularidade menstrual, ou até em idade mais avançada, quando as mães estão preocupadas com o início das relações sexuais.

 

Vale ressaltar que o ginecologista é o médico que, na maioria das vezes, vai acompanhar a paciente durante toda a sua adolescência, tratando de vários assuntos além das demandas habituais, como as questões relacionadas aos ciclos menstruais, sexualidade, check-ups necessários, cartão de vacinas, questões nutricionais e a frequência de exercícios físicos.

 

Há alguns exames sendo realizados no check-up da adolescência como, por exemplo, perfil lipídico e glicêmico em pacientes com perfil de risco, além dos que são direcionados quando há sinal ou sintoma que indique possibilidades de patologias.

 

Nessa etapa, o autocuidado também é fundamental para prevenção de doenças e melhor qualidade de vida do indivíduo, devendo ser conversado sobre saúde física, mental e emocional, contribuindo para a melhora da autoestima. Os requisitos universais de autocuidado são:

 

  • Manter aporte adequado de ar, água e alimentos;
  • manter equilíbrio entre a atividade e repouso, observando importância da atividade física regular e do sono, sendo este considerado atividade reparadora necessária para o bom rendimento físico e intelectual. São necessárias oito horas de sono diárias para manter o equilíbrio orgânico.
  • Manter o equilíbrio entre a solidão e a interação humana faz com que a adolescente estabeleça critérios para os seus relacionamentos amorosos, baseando-os sempre na efetividade.
  • Prevenir e reconhecer situações de risco, como IST, gravidez não planejada, abuso sexual, hábito de fumar e suas consequências, uso de álcool e/ou outras drogas e prevenção de outras situações de risco às que possa estar vulnerável fazem parte do bom aconselhamento por parte do profissional de saúde a essa adolescente.

 

Vida adulta

O período entre os 20 e 40 anos requer um olhar mais atento à saúde da mulher. Nesta fase, outras transformações acontecem habitualmente: início da vida sexual, gravidez, propensão a desenvolver algumas doenças.

A mulher na fase adulta deve ir ao ginecologista ao menos uma vez ao ano. E antes dos 40 anos, o médico vai julgar a necessidade de exame de prevenção do câncer de colo de útero, ultrassom, colesterol, tudo vai depender das queixas clínicas. Existem várias situações clínicas em que o ginecologista pode atuar e orientar no sentido de diagnóstico e prevenção.

A ginecologista Cristina Laguna, membro da Comissão de Ginecologia Endócrina, explica que: “Em casos de queixas, como cólica menstrual anormal, dismenorreia, sangramento uterino aumentado, corrimento, ardor, irritação, alteração de mama devem ser motivo de alerta. Todas as queixas que a mulher tiver em relação à mama e parte genital devem fazer com que ela busque atendimento médico mesmo que não seja o momento rotineiro”, enfatiza a Dra. Cristina.

Além desses sintomas, a mulher deve buscar atendimento também com sentido de orientação, em que ela pode receber uma explicação sobre planejamento familiar, riscos e prevenção das doenças sexualmente transmissíveis, orientação em casos de queixas sexuais, e no momento da gravidez programada. “Lembrando que a ginecologia é a especialidade que acompanha a mulher ao longo da vida e, com isso, consegue se orientar à medida que os riscos vão aparecendo em diferentes idades” destaca a médica.

Menopausa

Esse momento corresponde ao último ciclo menstrual da mulher. Ocorre, em geral, entre os 45 e 55 anos. O Dr. Luciano de Melo Pompei, ginecologista e presidente da Comissão de Climatério, explica sobre a transição menopausal. “O climatério abrange toda a transição do período reprodutivo para o não-reprodutivo, indo até a última menstruação. Nesta fase, a mulher já apresenta alterações menstruais e, frequentemente, já começa a ter sintomas da menopausa, tais como as ondas de calor. Todavia, ela ainda apresenta ciclos menstruais (irregulares), mas os apresenta”.

Para aliviar os sintomas, a mulher pode recorrer à terapia hormonal. O tratamento do climatério se baseia em orientação alimentar, atividade física, aporte psicológicos necessários e terapia de reposição manual para controle dos sintomas, além outras medicações não hormonais quando a mulher não pode ou não deseja usar a terapia de reposição hormonal. A terapia é feita de forma individualizada, considerando as necessidades da mulher e os riscos que cada mulher apresenta.


Mais conteúdos

Lançamento do livro Hormônios em Ginecologia marca o terceiro dia do 61º CBGO

Lançamento do livro Hormônios em Ginecologia marca o terceiro dia do 61º CBGO

Mortalidade infantil, câncer ginecológico e reunião da ...
Mulheres pretas com câncer do colo do útero têm mortalidade maior

Mulheres pretas com câncer do colo do útero têm mortalidade maior

De 2010 a 2019, 53,66% dos óbitos foram dessa população   No Dia ...

Para otimizar sua experiência durante a navegação, fazemos uso de cookies. Ao continuar no site consideramos que você está de acordo com a nossa Política de Privacidade.

Aceitar e continuar no site