Notícias

Amamentação em mulheres com mamoplastias: evidências atuais

Quarta, 18 Dezembro 2019 17:35

Ana Cristina F. de Vilhena Abrão

Maria Jose Guardia Mattar

Kelly Pereira Coca

Karla Oliveira Marcacine

As cirurgias mamárias têm sido elencadas como uma das causas associadas à interrupção precoce da amamentação pois podem alterar a integridade e funcionamento da mama, dependendo da técnica cirúrgica utilizada1,2. Suas repercussões estão relacionadas à problemas na produção e ejeção láctea, estase láctea, ingurgitamento obstrutivo, mastite, abcesso mamário, além da insegurança materna para amamentar1,2.

Com a evolução das tecnologias e das técnicas cirúrgicas, os procedimentos estéticos vêm crescendo no Brasil e no mundo. Pesquisa recente divulgada em 2018 pela International Society of Aesthetic Plastic Surgery (ISAPS), revela um aumento de 5,4%. O Brasil é o segundo país na realização de procedimentos estéticos, representando cerca de 2.267.405 entre procedimentos cirúrgicos e não cirúrgicos (9,7%). Dentre os procedimentos cirúrgicos, a mamoplastia de aumento, ocupa o primeiro lugar, com cerca de 1.841.098 procedimentos3.  Este ranking é confirmado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, representando 18,8% dos procedimentos; já a mamoplastia redutora ocupa o quinto lugar, representando 9,9% das cirurgias4.

Apesar do grande número de procedimentos realizados, a literatura é limitada quanto ao seu impacto na amamentação. Em relação à mamoplastia de aumento, as publicações dos últimos cinco anos mostram que as mulheres foram significativamente menos propensas a amamentar e a taxa de aleitamento materno exclusivo foi menor quando comparadas às mulheres sem cirurgia5; os subgrupos com incisão Periareolar versus Inframamária não mostraram diferença estatística5,6; e a dor e o maior escore de dor, a ocorrência de lesão e o uso dos galactagogos (oral e nasal) estiveram associados ao local de implantação, ao tamanho da prótese e ao tempo decorrido da cirurgia5,6.

Em relação à mamoplastia redutora, última revisão sistemática realizada em 20177 concluiu que  72% das mulheres relataram a falta de apoio e incentivo como motivo predominante para não amamentar(cinco estudos); 55% das mulheres relataram leite insuficiente e 16% delas referiram relutância e falta de apoio para o insucesso na amamentação(sete estudos); a quantidade de tecido mamário removido e o ano da cirurgia parecem não ter tido impacto na taxa de amamentação bem-sucedida. Por outro lado, técnicas que mantêm intacta a coluna do parênquima sub-areolar da mama parecem proporcionar maior probabilidade de sucesso na amamentação.

Estudo qualitativo publicado em 2018 com mulheres que realizaram mamoplastia antes da maternidade concluiu que a maioria delas não conseguiu amamentar exclusivamente e teve uma experiência de amamentação complementar, realizando translactação e/ou a técnica sonda-dedo em quase todas as mamadas. Os esforços para iniciar e manter a amamentação exclusiva foram exaustivos e persistentes, predominando o aleitamento complementado. Questionamentos surgiram em relação à sua capacidade para exercer o papel materno na amamentação. Poucas mulheres foram informadas sobre os efeitos da mamoplastia, os riscos e as consequências sobre a amamentação quando da obtenção do consentimento informado para a realização da cirurgia8.

Considerações finais e implicações para a prática

              As mulheres optam pela mamoplastia ainda muito jovens, neste sentido ela precisam receber orientações sobre os possíveis efeitos, riscos e possíveis consequências para a amamentação. Uma vez realizadas, devem receber informações detalhadas da cirurgia, o local de abordagem, o nome da técnica proposta, volumes a serem implantados ou retirados, as estruturas anatômicas que serão manipuladas. Estas informações são importantes para pesquisas futuras que pretendem analisar de forma mais detalhada o seu impacto na amamentação.

As taxas reduzidas de aleitamento materno entre as mulheres expostas a mamoplastias, enfatizam a importância de identificá-las, apoiá-las e incentivá-las. Essas mulheres podem ter maior probabilidade de desistir da amamentação uma vez desafiadas por dificuldades na lactação, devido a expectativas anteriores e menor autoconfiança em atender às necessidades do bebê.

O consentimento informado para a realização de mamoplastias deve incluir dados baseados em evidências sobre os riscos relacionados ao AME. As propagandas de mamoplastia de aumento deveriam advertir quanto aos seus potenciais prejuízos à lactação. Estudos devem ser mais detalhados para possibilitar análises mais confiantes.

O profissional de saúde que atende essas mulheres deve ter presente a necessidade de uma assistência individualizada e aconselhamento seguro para todas as possibilidades, seja aleitamento materno exclusivo ou não. 

REFERÊNCIAS

  1. Lawrence RA, Lawrence RM, editors. Breastfeeding: a guide for the medical profession. 8th ed. Philadelphia: Elsevier Mosby; 2015. p. 65-103.
  2. Lages AF. Mamoplastias e amamentação. São Paulo: Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO); 2018. Cap.8, p.72-9 (Série Recomendações FEBRASGO, no. 6/Comissão Especializada em aleitamento materno).
  3. International Society of Aesthetic Plastic Surgery. Global statistics [Internet]. Hanover: ISAPS; 2018 [cited 2018 Aug 28]. Available from: https://www.isaps.org/wp-content/uploads/2019/12/ISAPS-Global-Survey-2018-Press-Release-Portuguese.pdf;
  4. Fengrui Cheng;Shuiping Dai;Chiyi Wang;Shaoxue Zeng;Junjie Chen;Ying Cen. Do breast implants influence breastfeeding? A meta analysis of comparative studies. Journal human lactation. 2018;1-9. doi: 101177/0890334418776654.
  5. Marcacine KO, Abuchaim ESV, Coca KP, Abrão ACFV. Factors associated to breast implants and breastfeeding. Rev Esc Enferm USP. 2018;52:e03363. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2017037803363
  6. Kraut RY, Brown E, Korownyk C, Katz LS, Vandermeer B, Babenko O, Gross MS, Campbell S, Allan GM. The impact of breast reduction surgery on breastfeeding: Systematic review of observational studies. PLoS One. 2017;12(10):e0186591. doi: 1371/journal.pone.0186591.
  7. Camargo JF, Modenesi TSS, Brandão MAG, Cabral IE, Pontes MB, Primo CC. Breastfeeding experience of women after mammoplsty. Rev Esc Enferm USP. 2018;52(23).  doi: http://dx.doi.org/10.1590/s1980-220x2017020003350.
 

Deixe um comentário

Mais sobre o assunto

Ex-presidentes se reúnem para discutir conquistas e novos horizontes para a Febrasgo

Ex-presidentes se reúnem para discutir conquistas e novos horizontes para a Febrasgo

O atual presidente da Febrasgo, Dr. Agnaldo Lopes, se reuniu ...
Reunião da nova diretoria da FEBRASGO para gestão 2020-2023

Reunião da nova diretoria da FEBRASGO para gestão 2020-2023

Para marcar o início dos trabalhos da nova gestã...
Novo canal de comunicação direta da FEBRASGO com os seus associados

Novo canal de comunicação direta da FEBRASGO com os seus associados

Agora todos os associados terão a oportunidade de se ...