Notícias

Vacinas Pneumocócicas – Para quem indicar?

Quinta, 25 Outubro 2018 12:57

O pneumococo está envolvido em múltiplas infecções, desde otite média aguda até infecções mais severas e invasivas, como pneumonia bacteriana, sepse e meningite. O pico de incidência acontece nos extremos da vida: lactentes (< 2anos de idade) e em indivíduos acima de 60 anos. Pessoas com doenças crônicas (diabetes, cardiopatias, pneumopatias e outras), imunossuprimidos (pacientes vivendo com HIV/Aids, transplantados, pessoas que recebem terapia com drogas imunossupressoras, quimioterapia e outras) também apresentam risco mais elevado para pneumonia pneumocócica. Outros fatores como alcoolismo, tabagismo, asma e asplenia também estão mais associados a essas infecções.

A colonização pelo pneumococo é mais comum em crianças do que em adultos, sendo que os lactentes, como reservatórios, desempenham importante papel na cadeia de transmissão da bactéria para as demais faixas etárias.

De acordo com a composição do polissacarídeo capsular, os pneumococos são classificados em mais de 90 diferentes sorotipos, e a imunidade induzida, quer pela vacinação ou pela infecção natural, é predominantemente sorotipo-específica.

A introdução da vacina pneumocócica conjugada no calendário vacinal infantil, em programas públicos, foi capaz de reduzir de maneira importante o número de casos e mortes relacionadas a esse patógeno em crianças de diversos países.

Com a eliminação do estado de portador nasofaríngeo da bactéria na população infantil vacinada, houve expressiva redução na circulação do pneumococo na comunidade, com uma diminuição de casos da doença na população não vacinada (“proteção de grupo” ou “de rebanho”).

INDICAÇÕES DA VACINA PNEUMOCÓCICA

• Crianças <5 anos de idade;

• Idosos (com mais de 60 anos);

• Portadores de doenças crônicas como: cardíaca, pulmonar, renal, hepática, obesidade, etc;

• Pessoas com imunossupressão: HIV/Aids, transplantados, pessoas que recebem terapia com drogas imunossupressoras ou quimioterapia, etc;

• Presença de outros fatores de risco, como alcoolismo, tabagismo, asma grave, asplenia, moradoras de asilos ou em sistema prisional, etc.

VACINAS DISPONÍVEIS

Estão disponíveis vacinas pneumocócicas polissacarídicas e conjugadas. As principais diferenças entre elas são as seguintes:

Características Vacinas pneumocócicas

Polissacarídicas Conjugadas

Idade indicada a partir dos 2 anos a partir dos 2 meses

Memória imune (efeito ‘booster’) Não Sim

Tolerância imune com doses repetidas Sim Não

Efeito em portadores em nasofaringe Não reduz Reduz

Proteção de grupo Não Sim

Tempo de proteção 3 a 5 anos Prolongado

Vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente – VPP23:

Inclui os sorotipos 1, 2, 3, 4, 5, 6B, 7F, 8, 9N, 9V, 10A, 11A, 12F, 14, 15B, 17F, 18C, 19A, 19F, 20, 22F, 23F, 33F. Passou a ser utilizada a partir de 1984 em vários países, inclusive no Brasil. O Ministério da Saúde disponibiliza a VPP23 gratuitamente, através dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIEs), para pacientes de risco, ou seja, imunocomprometidos, portadores de doenças crônicas e idosos institucionalizados. É aplicada em dose única intramuscular em pessoas com mais de 2 anos de idade pertencentes a esses grupos. Os níveis de anticorpos decrescem bastante após 5 anos, quando deverá ser aplicada a segunda e última dose.

Vacinas pneumocócicas conjugadas: atualmente, existem duas vacinas conjugadas para o pneumococo licenciadas em nosso país:

 Vacina 10-valente – VPC10: contempla os sorotipos 1, 4, 5, 6B, 7F, 9V, 14, 18C, 19F e 23F, foi introduzida em 2010, no Programa Nacional de Imunizações (PNI) no Brasil, para crianças menores de 5 anos de idade;

 Vacina 13-valente – VPC13: amplia a cobertura da VPC-10 incluindo os sorotipos 3, 6A e 19ª. Indicada para qualquer idade e, no momento, disponível somente em clínicas privadas de vacinação.

Assim, as únicas vacinas disponíveis para uso em adultos e idosos são as vacinas VPP23 e a VPC13.

ESQUEMA RECOMENDADO DE VACINAÇÃO

A FEBRASGO recomenda o seguinte esquema para a proteção contra o pneumococo no calendário da mulher de 2017/2018:

Vacina Esquema básico Maiores que 60 anos* Gestante

Doses

prévias Conduta

Pneumocócicas (VPC13 e VPP23) Esquema sequencial Iniciar com 1 dose da VPC13

Após 6-12m: 1 dose de VPP23

Com 5 anos: 1 dose de VPP23 Pode ser feito em gestantes de risco para doença pneumocócica invasiva

*Abaixo de 60 anos: para portadores de algumas comorbidades ou a critério médico.

A VCP13 e a VPP23 são vacinas de agente inativado, portanto seguras e sem riscos teóricos para a gestante e o feto. Devem ser recomendadas para gestantes de alto risco para a doença pneumocócica, não imunizadas previamente.

A VPC13 pode ser coadministrada com outras vacinas recomendadas no calendário da mulher, como gripe, tríplice viral, tríplice bacteriana tipo adulto, HPV, hepatite B, etc.

Os eventos adversos mais frequentemente relacionados a essas vacinas são dor, calor e endurecimento no sítio de aplicação, que normalmente são leves e transitórios, e ainda, febre, cefaleia e mal-estar podem eventualmente ocorrer.

Concluindo, as vacinas pneumocócicas devem ser recomendadas rotineiramente para todas as mulheres a partir dos 60 anos, sendo recomendado o esquema sequencial, para prevenção de infecções graves em mulheres idosas e naquelas portadoras de doenças crônicas.


Autores: Nilma Antas Neves/Renato Kfouri

Este documento tem o suporte da Comissão Nacional Especializadas de Vacinas da FEBRASGO. Presidente: Dr Júlio César Teixeira


REFERÊNCIAS:

Richtmann R. Doenças Pneumocócicas. Coleção FEBRASGO: Vacinação da Mulher, Ed Elsevier, 2016; 97-103.

Kfouri RA, Laginha F, Fedrizzi EN, Teixeira JC. Doenças Pneumocócicas. Programa Vacinal da Mulher, FEBRASGO 2017: 102-109.

Isturiz RE, et al. Clinical and economic burden of pneumonia among adults in Latin America. Int J Infect Dis (2010), doi:10.1016/j.ijid.2010.02.2262.

Kyaw MH, Rose CE Jr, Fry AM, et al. The influence of chronic illnesses on the incidence of invasive pneumococcal disease in adults. J Infect Dis. 2005;192:377-386.

Ministério da Saúde. DATASUS — Departamento de Informática do SUS: disponível em: www.datasus.gov.br. Acesso em 14 de maio de 2018.

Pan American Health Organization. The ten leading causes of death in countries of the Americas. 2008 ed. Washing- ton, DC: PAHO; 2012.

Calendário SBIm Mulher 2017-2018. Disponível em: www.sbim.org.br/calendarios-sbim-mulher-2017-2018 .

Talbot, TR, Hartert, TV, Mitchel, E, et al. Asthma as a risk factor for invasive pneumococcal disease. N Engl J Med 2005; 352:2082.


Tomczyk S., Bennett N., Stoecker C., et al. Use of 13-valent pneumococcal conjugate vaccine and 23-valent polysaccharide vaccine among adult age 65 years: recommendations of the advisory committee on immunization Practices (ACIP). MMWR; 2014, 63 (37):822-825.

United Nations. World population prospects: the 2006 revision. Report No. ST/ESA/SER.A/261/ES. New York, NY: United Nations; 2007.

Whitney CG, Farley MM, Hadler J, Harrison LH, Bennett NM, Lynfield R, et al. Decline invasive pneumococcal disease after the introduction of protein – polysaccharide conjugate vaccine. N Engl J Med 2003;348:1737–46.

World Health Organization. The global burden of disease: 2010 update. Geneva, Switzerland: World Health Organization; 2013.

World Health Organization, Pneumococcal conjugate vaccine for childhood immunization — WHO position paper. Wkly Epidemiol Rec 2012; 87:129-144.


Deixe um comentário

Mais sobre o assunto

Homenagem ao Prof° Mário Dias Corrêa

Homenagem ao Prof° Mário Dias Corrêa

Faleceu hoje pela manhã o Professor Mário Dias Corrê...
A Mídia e o Impacto dos Contraceptivos sobre a Mulher Moderna

A Mídia e o Impacto dos Contraceptivos sobre a Mulher Moderna

Diante da impossibilidade de controlar a veracidade e a qualidade ...