Desigualdade social é um dos fatores que contribuem para o agravamento da epidemia de Aids no Brasil e no mundo

Quinta, 01 Dezembro 2022 12:07

O dia 1º  de dezembro foi designado como o Dia Mundial de Combate à AIDS, hoje ampliado para todo o mês de dezembro, chamado de "Dezembro Vermelho".  A data é voltada para lembrar as pessoas sobre a profilaxia da infecção e apoio às envolvidas na melhora da compreensão dessa infecção como um problema de saúde pública global.

O novo relatório do Programa das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) mostrou que o aumento das desigualdades e das restrições financeiras têm agravado o enfrentamento da epidemia de Aids no Brasil e no mundo, permitindo que um maior número de pessoas evoluem da fase assintomática para a fase sintomática. Isto torna mais difícil o cumprimento da meta para que a doença deixe de representar uma ameaça à saúde pública até 2030.

No Brasil a população negra é mais atingida, segundo dados Ministério da Saúde entre 2010 e 2010 houve uma queda de 9,8% na proporção de casos de Aids entre as pessoas brancas. Já entre os negros, houve um aumento 12,9%.

O Dr. Geraldo Duarte, Presidente da Comissão Nacional Especializada de Doenças Infectocontagiosas da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), explica que a Aids é causada pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), possuindo várias formas de transmissão, as quais podem ser agrupadas em três grandes categorias de exposição. A primeira é a exposição sexual, independente da manifestação da sexualidade (homossexual, heterossexual ou bissexual). A segunda considera a exposição parenteral ou de mucosas a sangue/hemoderivados, instrumentos e tecidos contaminados pelo vírus. A terceira é representada pela transmissão perinatal, a qual pode ocorrer pela via transplacentária, durante o parto ou por meio da amamentação.

 

“De forma geral as minorias são mais expostas ao risco de se infectar pelo HIV por vários motivos, destacando basicamente acessos limitados à informação e aos cuidados profiláticos e terapêuticos. A combinação destes dois fatores eterniza as exposições de risco, o primeiro passo para aumentar as taxas da infecção neste segmento populacional” destaca o ginecologista.

 Sintomas

Sobre os sintomas, o médico da Febrasgo esclarece que a infecção pelo HIV se manifesta por fases. “Na fase aguda da infecção são poucos os casos que apresentam sintomas e quando ocorrem, são inespecíficos. Considera-se que sejam compatíveis com o que se chama de síndrome mononucleose-like, com febre baixa, gânglios aumentados e mal-estar. A fase seguinte é assintomática, assim vivendo por tempo variável de uma pessoa para outra. Com o aumento da carga viral e declínio dos linfócitos T-CD4, a pessoa infectada começa a apresentar sinais e sintomas de Aids. A linfoadenomegalia (aumento de volume dos linfonodos) generalizada e persistente, acompanhada de perda discreta de peso, caracteriza o início da fase sintomática da doença na grande maioria dos casos” enfatiza Geraldo.

 

Com o tempo e, se não tratada, a doença evolui para estágios de maior gravidade. Dentre as manifestações clínicas mais comuns em pacientes nos estágios mais avançados da infecção (Aids) observa-se o emagrecimento intenso, fadiga, presença de infecções oportunistas, sudorese noturna e diarréia. A presença de úlceras aftosas bucais e de orofaringe, sinusopatia, leucoplasia pilosa oral e infecções herpéticas também são frequentes, mas não são tão constantes quanto aquelas citadas anteriormente. Felizmente, o sarcoma de Kaposi é raro entre mulheres.

 

Prevenção

 

A prevenção da infecção pelo HIV entre adultos é um passo fundamental no controle da infecção. Resumindo, pode-se afirmar que a chave que abre o processo da prevenção começa com a informação e a consciência de nossa vulnerabilidade quanto aos hábitos considerados de maior risco. Dentre eles, destaque especial deve ser dado ao risco de uso comunitário de drogas injetáveis e à exposição sexual (nas suas várias formas de expressão) sem proteção. Hoje, além da proteção com os preservativos (masculino e feminino), existe a profilaxia utilizando medicamentos antirretrovirais, denominadas de “profilaxia pré-exposição (PrEP)” e a “profilaxia pós-exposição (PEP)”. Para a profilaxia da transmissão vertical é necessário que a gestante se cuide para não infectar, podendo utilizar os mesmos recursos já citados. Uma vez portadora do vírus, existem protocolos específicos de uso de medicações antirretrovirais cujo objetivo é reduzir a carga viral deixando-a indetectável.

 

“Hoje já existem drogas injetáveis de longa ação, com ação que pode durar até dois meses, facilitando muito a adesão tanto para a profilaxia quanto para o tratamento'', diz Dr. Geraldo.

 

Tratamento

 

O tratamento da infecção pelo HIV é feito à base de antirretrovirais, alertando que, do ponto de vista prático, ainda não há cura para esta doença. Os relatos de cura são raros e demandam outras intervenções terapêuticas. O esquema antirretroviral mais utilizado atualmente é a combinação tríplice, associando dois inibidores da enzima transcriptase reversa (tenofovir e lamivudina) com um inibidor da enzima integrase (dolutegravir).


Mais conteúdos

Dengue na gestação aumenta o risco de mortalidade materna

Dengue na gestação aumenta o risco de mortalidade materna

Aumento do número de casos da doença levanta ...
Febrasgo cria grupo de trabalho sobre manejo da dengue na gestação

Febrasgo cria grupo de trabalho sobre manejo da dengue na gestação

Aumento do número de casos da doença levanta ...
FEBRASGO manifesta seu pesar pelo falecimento do Dr. Guilherme de Castro Rezende.

FEBRASGO manifesta seu pesar pelo falecimento do Dr. Guilherme de Castro Rezende.

A FEBRASGO manifesta seu pesar pelo falecimento do Dr. Guilherme ...
Nota de esclarecimento sobre o uso indevido da marca e chancela FEBRASGO

Nota de esclarecimento sobre o uso indevido da marca e chancela FEBRASGO

A FEBRASGO tomou conhecimento de casos relacionados ao uso indevido ...

Para otimizar sua experiência durante a navegação, fazemos uso de cookies. Ao continuar no site consideramos que você está de acordo com a nossa Política de Privacidade.

Aceitar e continuar no site