Revistas

Febrasgo cria grupo de trabalho sobre manejo da dengue na gestação

Aumento do número de casos da doença levanta preocupação sobre a saúde das gestantes; médicos devem orientar sobre as formas de prevenção.

Por Letícia Martins, jornalista com foco em saúde

Nas primeiras semanas de 2024, o Brasil registrou mais de 520 mil casos prováveis e confirmados de dengue, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde no dia 14 de fevereiro. Também foram confirmadas 84 mortes pela doença, enquanto outras 346 estão sendo investigadas.
Diante desse cenário alarmante, a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) criou o Grupo de Trabalho (GT) sobre Dengue na Gestação para tratar especificamente do manejo da doença em gestantes e puérperas. “Além de sobrecarregar o sistema de saúde, o aumento do número de casos de dengue no país traz riscos à vida dos pacientes. Sabemos que as gestantes são um grupo de mais risco, pois há maior mortalidade entre gestantes com dengue. A prioridade da Febrasgo é garantir a saúde da gestante e do bebê, por isso atuamos para orientar e capacitar os ginecologistas e obstetras do país”, declarou a presidente da Febrasgo, Dra. Maria Celeste Osório Wender.

Constituído por 16 especialistas na área de ginecologia e obstetrícia e membros da Comissão Nacional Especializada (CNE) de Doenças Infectocontagiosas da Febrasgo, o GT está empenhado na elaboração do Manual de Manejo de Dengue na Gestação, que será lançado nas próximas semanas. “Diversos estudos apontam para uma maior mortalidade entre gestantes com dengue, além do risco de transmissão para o recém-nascido se a doença ocorrer próximo ao parto. Também há risco de hemorragia, especialmente durante a cesariana e após o aborto”, explicou o Dr. Regis Kreitchmann, presidente da CNE de Doenças Infectocontagiosas da Febrasgo. “Para evitar a morte materna, o manual trará orientações sobre como preparar as equipes de saúde e organizar os fluxos de atendimento dentro dos hospitais, além de explicar os sintomas da dengue e os diagnósticos diferenciais”, acrescentou.

O período de chuvas e o fenômeno climático El Niño estão entre os fatores que contribuíram para a proliferação do mosquito Aedes aegypti e a rápida transmissão da doença. Sem dúvida, neste cenário de aumento do vetor, a aglomeração decorrente das festividades de carnaval se potencializa no sentido de que a incidência da dengue seja maior ainda em fevereiro. “Estamos acompanhando o aumento de casos de dengue em vários municípios. A estimativa é que até maio a transmissibilidade da doença será muito alta. Portanto, essa iniciativa da Febrasgo é de extrema importância para estabelecer diretrizes para os especialistas que estão atendendo ou irão atender gestantes afetadas pela dengue”, acrescenta a diretora administrativa da Febrasgo e membro do GT sobre Dengue na Gestação, Dra. Roseli Nomura

Além do Manual de Manejo de Dengue na Gestação, a Febrasgo irá promover uma série de atividades, incluindo lives (a primeira prevista para o dia 5 de março), treinamentos e capacitações presenciais.

Principais recomendações às gestantes

A preocupação da Febrasgo com a saúde das gestantes diante de uma iminente epidemia de dengue encontra mais um motivo: . “Estudos levantaram a hipótese de que mosquitos têm predileção por picar gestantes, embora os motivos ainda não sejam compreendidos. Assim, é importante que os médicos orientem as mulheres sobre as medidas de prevenção”, expõe o ginecologista obstetra Dr. Antônio Braga Neto, coordenador estadual da Área Técnica da Saúde das Mulheres do Rio de Janeiro e membro do Grupo de Trabalho sobre Dengue na Gestação da Febrasgo. O risco aumenta quando a mulher é infectada no terceiro trimestre da gestação, colocando em perigo a sua vida e a saúde do bebê.

Para as gestantes, é fundamental usar repelentes aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), como a picaridina, icaridina, N,N-dietil-meta-toluamida (DEET), IR 3535 ou EBAAP. “Já os repelentes naturais, como óleos caseiros de citronela, andiroba e capim-limão, não possuem eficácia comprovada nem aprovação da Anvisa até o momento”, ressalta Dr. Antônio.

A medida mais lógica no controle da dengue seria acabar com os criadouros dos mosquitos. No entanto, falhando esta iniciativa tenta-se impedir que o Aedes aegypti entre nas residências. Colocar telas nas portas e janelas funcionam como barreiras para o mosquito da dengue, mas esse recurso pode não for acessível financeiramente para parte da população. Assim, Dr. Geraldo explica que o uso do mosquiteiro colocado sobre a cama também é um bom método de barreira, mas ressalta que sua efetividade pode ser limitada, pois os hábitos do Aedes aegyiti são diurnos e a cama é mais utilizada à noite. “No entanto, para gestantes que costumam descansar durante o dia, o uso do mosquiteiro é bastante efetivo. Das estratégias disponíveis e possíveis para reduzir o número de picadas do mosquito a que tem se mostrado mais eficiente é o uso de repelentes”, recomenda Dr. Geraldo Duarte, vice-presidente da CNE de Doenças Infectocontagiosas e membro do GT sobre Dengue na Gestação da Febrasgo.

Tão necessário quanto orientar as pacientes sobre o que fazer é utilizar uma linguagem clara e simples para que elas compreendam. “As pacientes acreditam muito no médico. Por isso, precisamos passar a informação de forma pedagógica. Sugere que se enfatize que não existe tratamento específico para a dengue e que essa doença pode matar. Explique que a única forma de evitar a dengue é não deixar o mosquito picar. Uma vez que a picada aconteça, existem medidas para atenuar os sintomas e evitar a evolução do quadro, mas o ideal é não deixar o mosquito chegar perto da gestante”, ressalta o Dr. Geraldo.

Sintomas da dengue e conduta

A dengue pode se manifestar de forma assintomática, leve ou grave e levar à morte se não for diagnosticada precocemente e manejada de forma adequada. “Embora seja rara, a mortalidade materna por dengue é inadmissível, pois é possível preveni-la. Falhando a prevenção, ainda resta o diagnóstico precoce e o manejo adequado, evitando assim a evolução da dengue para as formas mais graves”, afirma Dr. Geraldo.

No entanto, muitas vezes a gestante demora para procurar os serviços médicos e isso acontece por diversos motivos, dentre eles a falta de informação sobre a gravidade da doença, fatores socioeconômicos, dificuldade de acesso ao serviço de saúde, vergonha da situação e falta de iniciativa para procurar o serviço médico, entre outros. Por isso, é fundamental orientar a gestante que ela não pode postergar a procura do serviço de saúde às primeiras manifestações clínicas da doença.

O principal sintoma para levar à suspeita de dengue é a febre acompanhada de pelo menos dois outros sintomas como dor muscular, exantema, dor retro-orbital, artralgia, diarreia, náuseas e vômitos, e essa suspeita é indicação para iniciar a hidratação de imediato, enquanto se aguarda laboratoriais hemograma. “Para fazer o diagnóstico correto, é importante que o médico ouça a história da paciente. Assim, saberá quando os sintomas começaram e quais exames devem ser realizados. Nos primeiros quatro a cinco dias de sintomas, o certo é fazer o teste de antígeno (NS1 ou o PCR) para avaliar a presença do vírus da dengue. Após esse período, deve-se pedir o exame sérico (IgM e IgG)”, explica Dr. Geraldo.

Como não existem medicamentos específicos para combater o vírus da dengue, nos casos de menor gravidade, quando não há sinais de alarme, a recomendação é fazer repouso e ingerir bastante líquido. Toda gestante com dengue precisa ser avaliada diariamente e sempre com repetição do hemograma até 48 horas até o desaparecimento da febre. Nos casos mais simples, o acompanhamento ambulatorial é indicado. Mas se o estado dela for grave, com a presença de sinais de alarme, ela deve ser encaminhada para internação. Se houver sinais de choque, sangramento ou disfunção grave de órgãos, a paciente deve ser tratada em unidade de terapia intensiva.

Embora a vacina contra a dengue não seja indicada para gestantes e lactentes, pois seu princípio imunizante baseia-se na presença de vírus vivos atenuados, seu uso é recomendado para mulheres que planejam engravidar, assim que houver maior disponibilidade do imunizante.

FEBRASGO manifesta seu pesar pelo falecimento do Dr. Guilherme de Castro Rezende.

A FEBRASGO manifesta seu pesar pelo falecimento do Dr. Guilherme de Castro Rezende, presidente da Comissão Nacional Especializada em Ultrassonografia em GO da Febrasgo. 
Neste momento de luto, a FEBRASGO, representada pela sua diretoria, transmite seus sentimentos aos familiares, amigos e colegas de trabalho, e reconhece a sua importância para a FEBRASGO e para a Ginecologia e Obstetrícia no Brasil.

Nota de esclarecimento sobre o uso indevido da marca e chancela FEBRASGO

A FEBRASGO tomou conhecimento de casos relacionados ao uso indevido e não autorizado de sua marca em um evento falso intitulado "I Congresso Brasileiro Integrado de Obstetrícia, Neonatologia e Pediatria".

É importante ressaltar que a FEBRASGO não teve qualquer participação ou conhecimento prévio deste evento, e nenhuma autorização foi solicitada ou concedida para a utilização de nossa marca, através do devido processo de aprovação pela Diretoria Científica desta instituição.

Informamos que o departamento jurídico da FEBRASGO já está tomando as medidas judiciais cabíveis em relação a este fato.

Por não termos conhecimento, nem envolvimento com o evento fraudulento, a FEBRASGO não pode ser responsabilizada por quaisquer danos materiais ou morais causados a terceiros em decorrência do uso não autorizado de nossa marca, como cobrança de inscrições ou outros prejuízos.

Repudiamos veementemente qualquer forma de fraude ou ação falsa com o intuito de obter vantagens indevidas.

Recomendamos às pessoas que se sentiram lesadas pelo referido evento, que providenciem um boletim de ocorrência, a fim de documentar a fraude e fortalecer a denúncia contra os fraudadores.

ATENÇÃO: Todos os eventos e ações realizados ou apoiados pela FEBRASGO são comunicados oficialmente através de nossos canais oficiais de comunicação.

Agradecemos a compreensão e colaboração de todos.

 

Posicionamento FEBRASGO e AMB sobre parto domiciliar planejado

O Parto Seguro deve ser sempre o maior e o principal objetivo de todas as pessoas envolvidas nos nascimentos que ocorrem diariamente em todo o Mundo. Nascer bem é sem dúvida alguma o maior legado que pais e mães podem (e devem) deixar para seus filhos e filhas! E um conceito básico para nós, Médicos Obstetras é que a Maternidade é o único local seguro para que o nascimento ocorra, pois é lá que temos à disposição a infraestrutura de pessoas e também de equipamentos e insumos que podem ser a diferença entre viver e morrer, entre ter ou não uma adequada qualidade de vida!

Sabemos, entretanto, que a procura por um parto domiciliar planejado tem aumentado em vários países do mundo 1. Os objetivos de se procurar um parto domiciliar, gravitam entre a busca de um local mais prazeroso e familiar para uma ocorrência tão íntima e fisiológica como o nascimento, assim como a suposta fuga de intervenções e medicalizações excessivas, que muitas vezes são citadas e associadas ao parto hospitalar. Entretanto, por mais que se procure selecionar aquelas parturientes de risco habitual, nas quais seria seguro um parto domiciliar, as consequências de um nascimento em local que é intrinsicamente desaparelhado para o atendimento de intercorrências não tão raras, como hemorragia e asfixia, por exemplo, tem desaconselhado esta prática. E o mau resultado que pode ocorrer acaba por transformar um local sagrado, que é a casa de todos nós, em um local de lembranças desagradáveis e perturbadoras.

A literatura e o conhecimento científico cada vez mais apresentam resultados que desencorajem e contraindicam partos domiciliares. Em países, todos de primeiro mundo, como os EUA, Canadá, Holanda e Inglaterra, a taxa de transferência do domicílio para o hospital, de partos domiciliares planejados, pode chegar até a 45% dos casos, com 70% das transferências sendo feitas antes do nascimento ocorrer2. É de se considerar, que todos esses países, sem exceção, têm sistemas de transporte e vagas em hospitais bem mais eficientes do que o Brasil.

Mas os problemas da assistência ao parto domiciliar, vão muito além da taxa de transferência e das dificuldades logísticas. Em 2010, Evers e colaboradores3 , publicaram no British Medical Journal, um interessante estudo feito na Holanda sobre este tema. A Holanda é o país com a mais longa tradição em partos feitos em Centro de Partos Normais, fora de hospitais e partos domiciliares planejados. O referido estudo visava comprovar a segurança desta prática. Os autores avaliaram os desfechos de 37.735 recém nascidos a termo e sem malformações congênitas, comparando os partos atendidos fora dos hospitais (partos de baixo risco) atendidos por midwives, com partos de gestantes de alto-risco, atendidos por médicos em hospitais. Por óbvio, frente às diferenças de risco das parturientes, o esperado seria um menor risco de desfecho ruim nos partos fora dos hospitais. Mas o que se viu foi justamente o contrário: a mortalidade perinatal relacionada ao parto foi 2,3 vezes maior (IC 95% de 1,12-4,83) nos partos atendidos fora dos hospitais. A mortalidade perinatal nas gestantes transferidas para os hospitais antes do nascimento neonatal foi 3,7 vezes maior (IC95% de 1,58-8,46) e a admissão em UTI neonatal foi 2,5 vezes maior  (IC95% de1,87-3,37). Após a análise dos dados, os autores concluem que o sistema de atendimento ao parto na Holanda deveria ser revisto.

Outro estudo, publicado em 2013 por Grünebaum e colaboradores no American Journal de Ginecologia e Obstetrícia4, avaliou os desfechos em 13.891.274 gestações únicas de recém nascido a termo nos EUA entre 2007 e 2010, através de dados obtidos no CDC. As comparações foram feitas entre partos planejados em domicilio, partos em centro de partos normais e partos hospitalares atendidos por midwives, com os partos atendidos por médicos nos hospitais: avaliando o grave desfecho de taxa de escores de APGAR de zero no 5º minuto, os partos atendidos por midwives nos hospitais teve um risco relativo significativamente menor (RR 0,55; IC 95% de 0,45-0,89), já os partos atendidos por parteiras nos CPN tiveram um risco relativo significativamente maior (RR de 3,56; IC 95% de 2,36-5,36), enquanto o resultado dos partos domiciliares atendidos em domicílio tiveram um risco de mais de dez vezes (10,55; IC 95% de 8,62-12,93), evidenciando a chance de desfecho ruim depende do local de nascimento e não do tipo de profissional que atende o parto. Em outro estudo, publicado em 20201 os desfechos de convulsões e paralisia cerebral nos recém nascidos mostrou resultados semelhantes, ou seja, nascer no hospital atendido por enfermeira obstétrica ou por médico, protege esses recém nascidos deste grave desfecho. Os piores desfechos são, de longe, os encontrados nos partos domiciliares. Esse estudo, avaliando dados de mais de 2 milhões de partos hospitalares e mais de 170. 000 partos domiciliares, mostrou que os partos atendidos fora dos hospitais tiveram de 3 a 7 mais mortalidade perinatal. Dados estes extremamente robustos que atestam o risco significativo do local de parto na chance de mortalidade.

Sabemos também que muitas melhorias precisam e devem ser feitas nas Maternidades em nosso País! E cada um de nós tem o dever de participar e de cobrar essas melhorias. Não há também nenhuma dúvida que, no acompanhamento de uma parturiente de risco habitual, um profissional bem treinado, como médico obstetra, médico pediatra/neonatologista, enfermeiro ou obstetriz, os resultados obstétricos e perinatais serão os melhores, desde que este atendimento ocorra dentro de um hospital/maternidade, com recursos disponíveis para a correção e tratamento de intercorrências imprevisíveis que podem surgir a qualquer momento, mesmo em gestantes saudáveis com gestações a termo.

Permitir, por deliberada opção, um parto domiciliar é sem dúvida nenhuma, um crime de negligência. Negligência na oferta de meios adequados para evitar que imprevistos se transformem em dados irreparáveis.

A Associação Médica Brasileira e a Febrasgo reafirmam o compromisso de ser sempre aliados de todas as mulheres grávidas no Brasil, defendendo que todos os partos no Brasil sejam feitos em condições de segurança adequada, dentro de Maternidades devidamente estruturadas para oferecer e permitir a melhor experiência de nascimento para a mulher, seu parceiro e a sua família!

 

 

  1. Grünebaum A, McCullough LB , PhD; Orosz B, Chervenak. Neonatal mortality in the United States is related to location of birth (hospital versus home) rather than the type of birth attendant. AJOG, 2020. https://doi.org/10.1016/j.ajog.2020.01.045

 

  1. Declercq E, Stotland NE. Planned home birth. UpToDate. www.uptodate.com. Updated. May 17

 

 

  1. Evers ACC, Brouwers HAA, Hukkelhovem CWPM, et al. Perinatal mortality and severe morbidity in low and high risk term pregnancies in the Netherlands: prospective cohort study BMJ2010; 341 doi: https://doi.org/10.1136/bmj.c5639 (Published 03 November 2010)Cite this as: BMJ 2010;341:c5639

 

  1. Grünebaun A & cols. Apgar scores of 0 at 5 minutes and neonatal seizures or serious neurologic dysfunction in relation to birth seting. AJOG 2013;209

Dia Nacional da Mamografia: FEBRASGO recomenda o exame anual para as mulheres a partir dos 40 anos

De acordo com dados do INCA, o câncer de mama figura como a principal causa de mortalidade entre mulheres no Brasil, exame favorece o diagnóstico da doença em fase inicial

 

No dia 5 de fevereiro, Dia Nacional da Mamografia, a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) faz um alerta sobre a importância do exame como forma de rastreio para mulheres a partir dos 40 anos de idade, destacando a importância do diagnóstico na fase inicial do câncer de mama para aumentar as chances de sucesso do tratamento.

 

O câncer de mama figura como a principal causa de mortalidade entre mulheres, conforme dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA). Uma pesquisa conduzida pelo Ipec (Inteligência em Pesquisa e Consultoria Estratégica), encomendada pela Pfizer, envolvendo 14 mil mulheres, revela que existe um considerável desconhecimento sobre o tema. Segundo o estudo, 60% das mulheres entrevistadas acreditam que o autoexame é a principal medida para a detecção precoce do câncer de mama.

 

A mamografia é uma radiografia do tecido mamário realizada por um mamógrafo, um equipamento de raios X que possibilita a identificação precoce de lesões. “Mulheres com mamas densas necessitam de uma atenção especial, pois apresentam um leve aumento no risco de câncer de mama. Em exames de imagem, a mamografia deve ser complementada pela ultrassonografia mamária, e em situações específicas, a ressonância magnética mamária pode ser considerada se houver dúvidas”, explica o médico Felipe Zerwes, presidente da Comissão de Mastologia da FEBRASGO.

 

O especialista também afirma que devido ao baixo risco de câncer de mama em mulheres abaixo dos 40 anos, não há uma recomendação para rastreamento com exames de imagem (mamografia ou ultrassonografia mamária), a menos que não apresentem sintomas. “Uma exceção a essa orientação ocorre em casos de pacientes com risco aumentado, como aquelas com histórico familiar, que podem iniciar o rastreamento mais cedo. As práticas recomendadas incluem a adoção de hábitos de vida saudáveis, autoexame mensal e exames físicos periódicos com profissionais de saúde”, ressalta Zerwes.

Mulheres serão maioria entre os médicos em 2024

De acordo com dados da Demografia Médica no Brasil, a projeção é de que elas representem 50,2% do total de especialistas no país este ano

 

A primeira semana de fevereiro é dedicada ao Dia da Mulher Médica, celebrado em 3 de fevereiro. Essa data especial foi estabelecida em homenagem a Elizabeth Blackwell, a primeira mulher a conquistar o título de médica nos Estados Unidos e em todo o mundo. A Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) destaca a importância das mulheres na medicina, reconhecendo suas contribuições significativas para o avanço e enriquecimento do campo médico.

 

O perfil da Demografia Médica no Brasil para o ano de 2023, resultado da colaboração entre a Associação Médica Brasileira e a Faculdade de Medicina da USP, aponta para uma projeção de mais de 1 milhão de médicos até 2035. Em 2022, a distribuição era de 51,4% de médicos para 48,6% de médicas. Para 2024, o cenário será outro e estima-se que as mulheres representarão 50,2% do total de médicos no país.

 

Neste contexto, a Dra. Maria Celeste Osório Wender, primeira presidente mulher eleita da FEBRASGO, desempenha um papel ativo em ações como o Fórum Defesa e Valorização Profissional, abordando temas como 'Remuneração médica' e planejando ações relacionadas a projetos de lei que afetam a atividade profissional do obstetra.

 

“Assumir o cargo de primeira presidente mulher da FEBRASGO é uma honra e um compromisso essencial para fortalecer a voz e representatividade feminina na medicina. Nesta nova gestão, reitero meu compromisso em lutar pela igualdade de oportunidades e pelo reconhecimento do papel vital das mulheres no setor de saúde do país”, destaca a Dra. Maria Celeste.

 

A presença e contribuição das mulheres na medicina desempenham um papel fundamental na promoção da diversidade e na ampliação das perspectivas dentro dessa área fundamental. Ao longo dos anos, as mulheres médicas têm demonstrado competência, empatia e dedicação excepcionais, enriquecendo o campo com suas habilidades únicas e perspectivas inovadoras. Além de oferecer cuidados médicos de alta qualidade, as mulheres na medicina servem como modelos inspiradores para as futuras gerações, incentivando mais jovens a buscar carreiras no setor.

 

A diversidade de experiências e conhecimentos que as profissionais femininas trazem à medicina não apenas aprimora o atendimento aos pacientes, mas também contribui para uma abordagem mais holística e inclusiva na compreensão e resolução dos desafios médicos contemporâneos. Reconhecer e valorizar a importância das mulheres na medicina é essencial para o avanço contínuo do setor e para a construção de um ambiente mais justo e representativo.

 

 

Especialidades Médicas e representatividade feminina

 

A Demografia revelou ainda que, a Dermatologia destaca-se como a especialidade com o maior contingente de mulheres, totalizando 8.236 médicas, o que equivale a 77,9% dos profissionais dessa área. Outras especialidades que apresentam uma expressiva presença feminina incluem Pediatria (75,6%), Alergia e Imunologia, assim como Endocrinologia e Metabologia, ambas com 72,1%. Ginecologia e Obstetrícia, Geriatria, Hematologia e Hemoterapia, e Genética Médica registram representação feminina de pelo menos 60%. Por outro lado, especialidades como Nutrologia, Medicina Física e Reabilitação, e Gastroenterologia mantêm uma proporção equilibrada entre homens e mulheres. Este cenário evidencia a diversidade de talentos femininos em diversas áreas da medicina, contribuindo para um ambiente mais inclusivo e representativo.

Dia Mundial do Câncer: atividade física contribui significativamente para a redução do risco da doença

FEBRASGO faz um alerta importante sobre a adoção de hábitos saudáveis como forma de prevenção

 

O Dia Mundial do Câncer, 4 de fevereiro, representa uma ação global coordenada pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC) em parceria com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Com foco na atenção primária para o controle da doença, a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) faz um alerta importante sobre a adoção de hábitos saudáveis como forma de prevenção.  Fatores como tabagismo, consumo excessivo de álcool e a ingestão elevada de alimentos, caracterizada por dietas altamente calóricas com um índice elevado de carboidratos e gorduras,  estão diretamente associados a um aumento significativo no risco geral de desenvolvimento de câncer.

 

Segundo o INCA, de 2023 a 2025, serão diagnosticados 704 mil novos casos de câncer por ano no Brasil. Dentre os principais tipos de câncer que exigem atenção e monitoramento regular por parte das mulheres, destacam-se o câncer de mama, câncer de cólon e reto, câncer de endométrio, câncer de esôfago, câncer de vesícula biliar, câncer de rins, câncer de fígado e câncer de ovário. Esses são apenas alguns dos cerca de 22 tipos de câncer associados à obesidade e ao sobrepeso.

 

A Dra. Mirian Hoeschl, membro da Comissão Especializada em  Ginecologia Oncológica da FEBRASGO, explica que cada tipo de câncer possui uma abordagem específica de rastreamento, permitindo a detecção de lesões iniciais que ainda não manifestam sinais e sintomas. “Em outras palavras, o rastreamento é eficaz quando não há evidências visíveis que suscitam a suspeita de alguma doença. É fundamental destacar que não há um único exame com 100% de eficácia capaz de detectar todos os tipos de câncer simultaneamente. Existem exames específicos e seguros dedicados à investigação de cada tipo de câncer. Por exemplo, o exame preventivo é indicado para o câncer de colo de útero, devendo ser realizado em determinadas condições, como idade, atividade sexual, histórico de parceiros, tabagismo, uso de preservativos e a decisão de receber ou não a vacina contra o HPV”, explica a especialista.

 

Rastreamento

 

O câncer de endométrio e o câncer de ovário não têm exames de rastreamento específicos e eficazes. Por outro lado, estão mais associados a síndromes hereditárias, ou seja, ao "câncer herdado". A detecção precoce, ou seja, no início da doença quando ela se encontra dentro de certos limites, possibilita tratamentos menos agressivos e com grandes chances de cura.

 

Câncer e Genética

 

É fundamental compreender a diferença entre câncer hereditário e genética do câncer. A maioria dos cânceres resulta de alterações genéticas, sendo uma pequena parte deles hereditária. O câncer hereditário ocorre quando as células germinativas do DNA carregam alterações herdadas dos genitores, podendo ser transmitido à próxima geração. Por outro lado, essas alterações podem ocorrer em células somáticas, ficando restritas apenas ao indivíduo (câncer esporádico), relacionado ao envelhecimento e fatores ambientais. As células germinativas, responsáveis pela produção dos gametas (cromossomos X e Y), contêm metade dos cromossomos de ambos os genitores, fundindo-se durante a fecundação para formar o zigoto.

 

“Ao suspeitar de câncer hereditário, é crucial identificar o tipo que afetou o primeiro membro da família doente, antecipando que familiares possam ser afetados em outros membros. Para avaliação específica, testes moleculares são fundamentais, identificando genes com anomalias responsáveis pelo câncer e determinando se essas alterações podem ser transmitidas à prole”, explica a Dra. Mirian Hoeschl .

 

Algumas famílias têm predisposição a tipos específicos de câncer, como endométrio, intestino, mama e ovários. Nesses casos, medidas preventivas podem ser adotadas para evitar ou detectar precocemente a doença.

 

Prevenção

 

A médica da FEBRASGO ressalta que o câncer de colo de útero é um tipo de câncer que pode ser prevenido por meio de medidas simples, como a realização de exames preventivos, o uso de preservativos e a vacinação. Essas medidas têm o potencial de evitar o surgimento de lesões precursoras e avançadas, salvando muitas mulheres da mortalidade associada a esse tipo de câncer.

 

É crucial compreender que, embora seja bastante comum, o câncer de colo de útero não é transmitido geneticamente, mesmo entre mulheres da mesma família. Na maioria dos casos, a origem desse câncer está relacionada ao contato com certos tipos de HPV, ao tabagismo, à presença de parceiros múltiplos ou à falta de uso de preservativos (que minimizam o risco). Portanto, a vacinação de jovens adolescentes, tanto do sexo feminino quanto masculino, antes do início da vida sexual, é muito importante.

 

 

Qualidade de vida e atividade física

 

“Qualquer atividade física, quando realizada com bom senso e orientação adequada, contribui significativamente para a redução do risco de câncer, assim como uma alimentação balanceada. Cada biotipo possui um peso adequado e uma atividade física recomendada específica para cada mulher. Não existe uma abordagem única para todas; cada pessoa deve compreender seus próprios limites e, em colaboração com profissionais de nutrição e educação física, estabelecer o que é mais adequado para si. Além disso, é aconselhável realizar uma avaliação médica para prevenir problemas cardíacos, por exemplo”, finaliza a Dra. Mirian.

 

Hábitos de vida saudáveis, sem exageros, como a prática regular de atividade física bem orientada, sono adequado e uma alimentação equilibrada em proteínas, carboidratos, gorduras e vitaminas, aliados à abstenção do tabagismo e moderação no consumo de bebidas alcoólicas, não apenas reduzem o risco de câncer, mas também de outras condições como hipertensão, diabetes, insônia, depressão, entre outras.

 

Para cada faixa etária, profissionais qualificados e experientes podem orientar atividades físicas e hábitos saudáveis, minimizando riscos. Exercícios aeróbicos e isométricos têm indicações específicas que devem ser cuidadosamente planejadas.
Page 5 of 80

Para otimizar sua experiência durante a navegação, fazemos uso de cookies. Ao continuar no site consideramos que você está de acordo com a nossa Política de Privacidade.

Aceitar e continuar no site