Revistas

Terapia hormonal é uma opção para aliviar os sintomas da menopausa

FEBRASGO reforça a importância do acompanhamento médico durante o climatério para a diminuição dos impactos causados pelo fim da fase reprodutiva da mulher

Durante a menopausa, ocorre uma redução significativa na produção de hormônios sexuais femininos, tais como o estrogênio e a progesterona. Essa diminuição hormonal pode ocasionar diversas alterações físicas e hormonais que têm impacto na libido e na satisfação sexual das mulheres. Nesse Dia Mundial da Menopausa, 18 de outubro, a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) reforça a importância do acompanhamento médico nesse período da vida das mulheres.

Em geral, a menopausa se manifesta entre os 40 e 55 anos, marcando o término da fase reprodutiva feminina. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estima-se que o Brasil tenha aproximadamente 29 milhões de mulheres que estejam no climatério ou na menopausa, representando 7,9% da população feminina do país.

“As mulheres passam um terço ou mais de suas vidas na fase da pós-menopausa. A menopausa é a parada definitiva das menstruações, representando um marco: a última menstruação”, diz o Dr. Luciano de Melo, presidente da Comissão de Climatério da FEBRASGO.

O especialista explica que existe a fase da transição menopausal e que o climatério abrange toda a passagem do período reprodutivo para o não-reprodutivo, indo até a última menstruação. “Nesta fase, a mulher já apresenta alterações menstruais e, frequentemente, já começa a ter sintomas da menopausa, tais como as ondas de calor. Todavia, ela ainda apresenta ciclos menstruais (irregulares), mas os apresenta”, completa Melo.

Menopausa Precoce

Conhecida também como insuficiência ovariana prematura, a menopausa precoce é quando o ovário deixa de produzir os hormônios e a mulher entra em menopausa, parando de menstruar totalmente antes dos 40 anos.

O médico esclarece que na maioria das vezes é difícil determinar uma causa, o que a medicina denomina como idiopática. “Claro que deve existir uma causa por trás da menopausa precoce idiopática, mas ainda não existem exames que consigam detectar que causa é essa. Entretanto, em muitos casos é possível a detecção do que causa a menopausa precoce, por exemplo, doenças autoimunes, quando corpo produz anticorpos contra o próprio organismo; tratamentos oncológicos como quimioterapia e radioterapia; fatores genéticos e cromossômicos", destaca o ginecologista.

Causas

A ginecologista Lucia Helena Simões, vice-presidente da Comissão de Climatério da FEBRASGO, esclarece que os principais sintomas da menopausa, na verdade, são muitos, por exemplo vasomotores que são as chamadas ondas de calor os muitas vezes acompanhado de sudorese, palpitação, despertar noturno. “A mulher pode ter uma onda de calor e acaba acordando várias vezes à noite, tendo dificuldade para voltar a pegar no sono, então isso leva a insônia, cansaço, indisposição, alterações psicológicas, ansiedade, irritabilidade, humor mais depressivo ou agravamento de uma depressão que ela já pode ter. Problemas vaginais, ressecamento vaginal, dor para ter relações sexuais, incontinência urinária alterações da memória também podem ser outros exemplos de consequências”, explica a especialista.

Alteração de Humor

A médica da FEBRASGO fala sobre como é momento de alteração de humor na vida das mulheres: “Existem outras condições que acontecem nesse período da vida da mulher que podem agravar o estado de humor, como problemas psicológicos. Por exemplo, a síndrome do ninho vazio, em que os filhos chegam à fase adulta e vão saindo de casa, logo a mulher se vê sozinha ou somente com o parceiro, e isso pode acarretar alterações de humor. Do ponto de vista de carreira de trabalho, também pode haver algum comprometimento, e essas são outras questões sociais que envolvem esse período”.

Tratamento

A Dra. Lúcia diz que para aliviar os sintomas a mulher pode recorrer à terapia hormonal. O tratamento do climatério se baseia em orientação alimentar, atividade física, aporte psicológicos necessários e terapia de reposição manual para controle dos sintomas, além outras medicações não hormonais quando a mulher não pode ou não deseja usar a terapia de reposição hormonal. “A terapia é feita de forma individualizada, levando em consideração as necessidades da mulher e os riscos que cada mulher apresenta”, completa a especialista.

Dia Nacional da Vacinação: compreenda as principais categorias de imunização essenciais para o público feminino

Imunização tem o potencial de preservar a vida de até três milhões de pessoas anualmente


As vacinas representam um marco essencial na história da saúde humana, e de acordo com informações da Organização Mundial de Saúde, elas salvam a vida de três milhões de indivíduos a cada ano. Para enfatizar a relevância das vacinas, o Brasil celebra, em 17 de outubro, o Dia Nacional da Vacinação, uma ocasião dedicada a destacar a importância da imunização no combate às epidemias.


A Federação Brasileira de Ginecologia Obstetrícia (FEBRASGO), ressalta que a vacinação fortalece as defesas naturais do nosso organismo, prevenindo doenças graves. É uma estratégia segura e inteligente para manter nossa saúde e resistência em alto nível.  Destacando que para o público feminino, existem vacinas específicas ao longo da vida que não devem ser negligenciadas, como a vacina contra o HPV. Esta vacina é disponibilizada gratuitamente para meninas a partir dos 9 anos até os 14 anos, para mulheres que vivem com HIV, transplantados de órgãos sólidos, de medula óssea ou pacientes oncológicos na faixa etária de 9 a 45 anos. Nas clínicas particulares, a vacina quadrivalente está disponível para meninas e mulheres de 9 a 45 anos.


Vacinas fundamentais para meninas e mulheres


A ginecologista Cecília Maria Roteli Martins, presidente da Comissão Nacional Especializada em Vacinas da FEBRASGO, diz que a vacinação do HPV evita lesões benignas como as verrugas genitais em homens e mulheres, e que apesar de benignas, são extremamente infecciosas e desconfortáveis. “As mulheres acima dos 15 anos que ainda não se vacinaram, podem se beneficiar da vacinação disponível na rede privada, em esquema de três doses”, complementa a médica.


Vacinas para gestantes


A vice-presidente da Comissão Nacional Especializada em Vacinas da FEBRASGO, Dra. Nilma Antas Neves, explica que existem três vacinas primordiais para a imunização de gestantes - Influenza, Hepatite B e dTpa-tríplice bacteriana (difteria, tétano e coqueluche).


A vacina dTpa é recomendada em todas gestações, é ela quem protege a gestante durante a gravidez e transfere anticorpos para o feto, protegendo-o em seus primeiros meses de vida até que possa ser vacinado. “Os adolescentes e adultos estão sendo reconhecidos como as principais fontes de transmissão da coqueluche para os recém-nascidos e crianças ainda não vacinadas ou com sua imunização incompleta. As mães também têm apresentado uma participação relevante nessa transmissão", explica Dra. Nilma.

 
Gestantes também são grupo de risco para as complicações da infecção pelo vírus da Influenza. “A gripe está associada ao aumento de hospitalizações e doenças de maior gravidade em gestantes e neonatos”, afirma a médica. Sobre a importância da imunização de gestantes contra a Hepatite B, Neves complementa: "O objetivo principal da vacinação contra Hepatite B durante a gravidez é evitar a aquisição materna desse vírus e consequente proteção do seu recém-nascido.”

Dia Mundial da Dor: Vamos discutir a endometriose, caracterizada por cólicas menstruais intensas, dores abdominais que ocorrem fora do período menstrual

Uma pesquisa conduzida pelo Ibope durante a pandemia, revelou que 82% das mulheres entrevistadas relataram sentir dores frequentemente. Em contraste, entre os homens participantes, essa porcentagem diminuiu para 18%. Nesse contexto, a FEBRASGO enfatiza que ao longo da vida, as diversas fases da mulher se desenham, desencadeando transformações tanto no corpo quanto na mente. Portanto, é de extrema importância priorizar a atenção aos cuidados de saúde, garantindo a manutenção do bem-estar feminino e prevenindo o surgimento de condições dolorosas relacionadas.

Uma das condições de saúde frequentemente observadas em mulheres é a endometriose, que pode ser altamente debilitante. Ela se manifesta por meio de cólicas menstruais severas, dores abdominais fora do período menstrual, desconforto durante as relações sexuais e sintomas relacionados ao trato intestinal e urinário.

O Dr. Carlos Alberto Petta, membro da Comissão Nacional Especializada em Endometriose da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), explica que dentro do útero, as mulheres possuem uma camada de glândulas chamada endométrio, que fica à espera de uma gravidez. Se essa gravidez não ocorre, o endométrio é eliminado, o que chamamos de menstruação, sendo composta por células do endométrio. A endometriose ocorre quando essas células se encontram em locais fora do útero, como no ovário, na parte posterior do útero e na bexiga. Essa condição pode afetar o sistema reprodutivo, pois é uma doença inflamatória que provoca aderências que distorcem a anatomia desses órgãos, sendo uma das causas da infertilidade.

Além das cólicas extremamente intensas, que às vezes impedem que a mulher desempenhe suas atividades diárias, e das dores abdominais severas, outros sintomas da endometriose compreendem:

● Alterações intestinais e urinários durante o período menstrual;
● Sangramento menstrual intenso e irregular;
● Dor intensa durante relações sexuais;
● Dor pré-menstrual, que pode ocorrer uma ou duas semanas antes do início do período menstrual, afetando a região abdominal.
● Dor para urinar;
● Dor abdominal;
● Distensão abdominal;
● Massa abdominal palpável;
● Fadiga e cansaço;
● Infertilidade ou dificuldade maior para engravidar.

“Os fatores de risco para o desenvolvimento da endometriose podem ser divididos em várias categorias. Um dos principais é o histórico familiar, pois uma mulher com um parente de primeiro grau afetado pela doença enfrenta um risco significativamente maior, de sete a dez vezes, de também desenvolvê-la. Além disso, há evidências de que o estresse e a ansiedade possam desempenhar um papel na sua ocorrência. Outros estudos têm investigado a possível influência de poluentes ambientais”, alerta o Dr.

Diagnóstico

O diagnóstico da endometriose pode ser realizado com exames de imagem especializados. Quando realizados adequadamente, esses exames têm a capacidade de identificar a endometriose profunda, que envolve lesões com mais de 3 milímetros de extensão. No entanto, é fundamental que esses exames sejam conduzidos por profissionais experientes e que o paciente siga as orientações de preparo necessárias para realizar a ressonância ou ultrassonografia voltadas para a detecção da doença. Atualmente, os exames de imagem representam o padrão-ouro no diagnóstico da endometriose. Além de diagnósticos de cirurgia, mais biópsia ainda são importantes.

Tratamento

Os tratamentos para a endometriose podem ser categorizados em duas abordagens: clínicas ou cirúrgicas. Os tratamentos clínicos geralmente envolvem terapias hormonais que têm o efeito de suprimir a menstruação, além do uso de anti-inflamatórios e analgésicos. Em casos mais graves, a cirurgia, geralmente realizada por meio de videolaparoscopia, pode ser necessária para a remoção das lesões.

Além disso, o profissional de saúde também orienta mudanças no estilo de vida como parte do tratamento. Isso inclui ajustes na alimentação, como a redução de alimentos inflamatórios, como glúten, lactose, carne vermelha e açúcar, bem como a promoção de exercícios físicos, a redução de ansiedade e estresse. Essas medidas têm como objetivo melhorar a qualidade de vida das pessoas afetadas pela endometriose, uma vez que tanto a dor quanto a infertilidade são fatores que podem impactar negativamente a qualidade de vida das mulheres que sofrem com a doença e apresentam esses sintomas.

Sinais de alerta que pode sugerir a doença

Os sinais de alerta para possíveis complicações na endometriose estão geralmente relacionados a obstrução no intestino ou no ureter. Essas complicações não surgem abruptamente, mas podem ser identificadas por sintomas como dores na região dos rins, dificuldade para evacuar, fezes com formato anormalmente fino e, em geral, dor intensa.
Sempre que uma dor forte é experimentada, deve ser investigada, pois ela pode estar associada a uma dessas complicações. Embora não sejam comuns, essas complicações podem ocorrer e exigem atenção médica.

“Existem indícios que podem indicar a presença da doença, que impacta a capacidade de trabalhar e estudar, requer um aumento na quantidade de medicamentos, causa o surgimento de cólicas em quem antes não as tinha, ou intensifica a dor em indivíduos que já as sofriam, e para aqueles que estão tentando engravidar há mais de um ano sem sucesso, a endometriose pode ser uma das possíveis causas”, conclui o médico.

Trombose em mulheres: compreenda os sintomas, fatores de risco e estratégias de prevenção


Mais de 425 mil brasileiros necessitou de hospitalização para o tratamento dessa condição

O Dia Mundial de Conscientização e Combate à Trombose, 13 de outubro, é uma data oficialmente designada pela Sociedade Internacional de Trombose e Hemostasia. O propósito deste dia é ampliar a conscientização sobre os perigos da trombose e promover medidas de prevenção. A Dra. Venina Viana, presidente da Comissão de Tromboembolismo Venoso e Hemorragia na Mulher da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), destaca que as mulheres têm maior risco de trombose do que os homens, no período que se inicia com a primeira menstruação até a menopausa. Contudo, após os 60 anos, homens e mulheres têm uma incidência igual.

A trombose é uma condição que pode afetar principalmente as veias das pernas (conhecida como Trombose Venosa Profunda) e os pulmões (sob a forma de embolia pulmonar). De acordo com um estudo realizado pela Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), durante o período de janeiro de 2012 a maio de 2022, mais de 425 mil cidadãos brasileiros precisaram ser hospitalizados para tratar tromboses venosas. O estudo revela que, em média, 113 indivíduos são admitidos diariamente nos hospitais da rede pública para receber tratamento para essa condição preocupante.
“A prevenção da trombose envolve cuidados ao longo de toda a vida. A melhor forma de prevenir a doença é manter um peso saudável, praticar atividade física regular e manter-se hidratado. Além disso, é importante consultar o médico antes de iniciar o uso de pílulas anticoncepcionais, escolhendo a opção mais adequada de acordo com idade e situação clínica”, explica a especialista.
Sintomas
Os principais sintomas da trombose são dores, inchaço e vermelhidão nas pernas, sendo que algumas pacientes podem apresentar apenas inchaço e dor, sem vermelhidão. É válido lembrar também que sempre é importante dar atenção ao risco de trombose quando for ao hospital ou ficar hospitalizado. Portanto, é importante procurar atendimento médico diante de qualquer dor atípica na perna.
“Cabe ao profissional que lida com a saúde da mulher, lembrá-la que o uso de hormônios femininos, como anticoncepcionais ou reposições hormonais orais, podem representar um fator de risco para a incidência de trombose, mas este diagnóstico é feito caso a caso. Durante a gravidez e logo após o parto, é fundamental avaliar o risco de trombose com o obstetra. O tratamento é bastante eficaz e consiste em medicamentos ou anticoagulantes. O medicamento a ser utilizado vai depender de cada situação”, conclui Dra. Venin.

Cerca de 18 milhões de mulheres sofreram alguma forma de violência no último ano


FEBRASGO reforça que a educação e a conscientização desempenham um papel fundamental na prevenção da violência contra as mulheres e na promoção da saúde


Em 10 de outubro, no Dia Nacional de Combate à Violência contra a Mulher, uma data estabelecida em 1980 durante um movimento nacional ocorrido em São Paulo, a Federação Brasileira de Ginecologia Obstetrícia (FEBRASGO) faz um alerta sobre os altos índices de crimes contra as mulheres em todo o país e reforça a importância da educação e conscientização de todos para a construção de uma sociedade mais segura para as mulheres.

 

O estudo "Visível e Invisível: Vitimização de Mulheres no Brasil" do Fórum Brasileiro de Segurança Pública revela dados alarmantes sobre diversas formas de violência enfrentadas pelas mulheres brasileiras em 2022. O levantamento aponta que 28,9% das mulheres no Brasil foram vítimas de violência de gênero durante o ano, representando o índice mais alto registrado até o momento, com um aumento de 4,5 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior. Essas estatísticas indicam que aproximadamente 18,6 milhões de mulheres no Brasil foram vítimas de violência no período.

 

O Dr. Robinson Dias, presidenta da Comissão de Violência Sexual e Interrupção Gestacional prevista em lei na Federação Brasileira de Ginecologia Obstetrícia (FEBRASGO), enfatiza que o machismo estrutural desempenha um papel significativo na perpetuação da violência em nossa sociedade. “Este machismo está profundamente enraizado em todos os aspectos das relações sociais e tem um impacto prejudicial no fortalecimento das mulheres. Além disso, a falta de educação e o aumento contínuo da violência também são fatores cruciais que contribuem para esse problema em nossa sociedade”, pontua.

Quando as mulheres são vítimas de violência, enfrentam consequências tanto físicas quanto mentais. No curto prazo, isso se traduz em problemas de saúde resultantes de agressões físicas e sexuais, como lesões corporais, estresse pós-traumático, síndrome do pânico, infecções transmitidas sexualmente e outros problemas relacionados. A longo prazo, estudos demonstram um maior risco de desenvolvimento de distúrbios psicológicos, incluindo transtornos mentais comuns, como ansiedade e depressão, disfunções sexuais e também efeitos negativos na saúde cardiovascular das mulheres.

“Para as mulheres, que se encontram presas em um ciclo de violência, é uma tarefa extremamente desafiadora romper com essa situação devido ao contexto de vulnerabilidade social que caracteriza o cenário brasileiro. Além disso, a dependência econômica, que frequentemente está nas mãos do agressor, e a falta de recursos educacionais e alternativas para cuidar de seus filhos agravam ainda mais essa problemática. Felizmente, existem diversas instituições que compõem uma rede de apoio, abrangendo desde as autoridades de segurança pública até instituições de saúde, assistência social e organizações não governamentais. Os sinais de alerta variam, desde evidências físicas de traumas até mudanças de comportamento e o surgimento de distúrbios psicológicos e pós-traumáticos”, destaca o Dr. Robinson.

Para o especialista, a educação e a conscientização desempenham um papel fundamental na prevenção da violência contra as mulheres e na promoção da saúde, ao ampliar a visibilidade desse problema. “Elas nos permitem destacar o impacto profundo dessa questão nas vidas das pessoas e fomentar discussões e reflexões sobre o tipo de sociedade que desejamos legar para as gerações futuras. Além disso, é fundamental refletir sobre o papel dos homens na vida e na promoção da saúde de meninas, adolescentes e mulheres, reconhecendo sua importância nesse processo”, finaliza.

Aspectos emocionais e físicos da mãe podem impactar diretamente a saúde do bebê

 

FEBRASGO destaca a importância da atenção à saúde mental durante o período gestacional

 
O relatório sobre Saúde Mental da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado em junho de 2022, revelou que em 2019, um bilhão de indivíduos no mundo conviviam com algum tipo de transtorno mental. A data de 10 de outubro é marcada pelo Dia Mundial da Saúde Mental, uma ocasião dedicada a promover a educação e a conscientização sobre questões relacionadas à saúde mental. Neste contexto, a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) destaca a importância da saúde mental das gestantes e ressalta que os aspectos emocionais e físicos da mãe podem impactar diretamente a saúde do bebê.

 

Para o obstetra Sérgio Luz, membro da Comissão Especializada em Pré-Natal da Febrasgo, a   saúde mental do feto é indiscutivelmente influenciada pela da mãe. “Quando a mãe enfrenta ansiedade e experimenta modificações fisiológicas, como taquicardia e agitação, isso pode resultar na liberação de adrenalina impactando no bebê. Este campo é fascinante e atualmente existem no mundo muitas pesquisas”, pontua o médico.

 

O especialista enfatiza que o estresse é uma faceta intrínseca da sociedade contemporânea e existem métodos  para atenuar os impactos negativos como terapias, a redefinição dos valores da vida, a prática da meditação, a realização de exercícios físicos e muitas outras abordagens.

 

Outro aspecto importante são as alterações emocionais durante o período de gestação. “A maioria das mulheres mantém a saúde mental ao longo do processo que abrange a gestação, o parto e o período puerperal. Mas, algumas podem se deparar com uma ampla gama de desafios psicológicos. Entre esses desafios, os mais graves envolvem a perda do contato com a realidade, o que pode representar um desafio significativo para a equipe de saúde, resultando em questões como má nutrição, falta de higiene e resultados obstétricos adversos”, ressalta o Dr. Sergio.

 

Também podem ocorrer alterações emocionais no período puerperal, com episódios de tristeza intensos. Neste momento, o especialista reforça que é fundamental o acompanhamento médico para avaliação da paciente e o apoio da família. “É importante ressaltar que o conceito de família é amplo e diversificado nos dias de hoje. Esse apoio social abrange a equipe de saúde, familiares e, entre eles, a pessoa que a gestante considera mais significativa para desempenhar um papel especialmente importante”, enfatiza o obstetra.

 

Exercício físico e saúde mental da gestante

 

O exercício físico desempenha um papel fundamental na vida humana em todas as fases, incluindo a gestação. Durante a gravidez, a prática de exercícios estimula a produção de substâncias que promovem o bem-estar e o equilíbrio homeostático do corpo. Esses exercícios contribuem para a clareza mental, melhoram a qualidade do sono e auxiliam no funcionamento adequado de diversas funções fisiológicas, como o intestino. Portanto, a maioria das gestantes pode se beneficiar da atividade física, a menos que haja contra indicações específicas indicadas pela equipe de saúde.

 

“Preparar-se para a gestação, o parto e o período puerperal envolve a formação de uma rede de apoio e o envolvimento de pessoas significativas em sua vida. Além disso, buscar conhecimento junto à equipe de saúde é fundamental para compreender e gerenciar adequadamente essa fase importante. Isso inclui estar ciente das implicações financeiras e de outros aspectos relevantes para garantir uma experiência saudável e positiva ao longo desses momentos significativos”, conclui Dr. Sérgio Luz.

FEBRASGO faz um alerta para os efeitos da obesidade na saúde ginecológica das mulheres

 Em termos de saúde reprodutiva, a condição afeta negativamente a fertilidade e a contracepção devido às suas alterações metabólicas

 

No Dia Nacional de Prevenção da Obesidade, definido em 11 de outubro, a FEBRASGO faz um alerta sobre os riscos associados a doenças como diabetes tipo 2, doença cardiovascular, câncer de mama e inúmeras comorbidades de impacto para a saúde feminina. A data tem um papel importante para promover a conscientização sobre o cuidado com alimentação, a prática de atividade física  e todas as ações que contribuem para uma vida mais saudável e equilibrada.

 

Para o ginecologista Jan Pawel Andrade Pachnicki, especialista e membro da Federação Brasileira de Ginecologia Obstetrícia (Febrasgo), a obesidade pode gerar impactos muito negativos à saúde ginecológica da mulher, especialmente durante a gestação. “A doença está associada a um maior risco de perda gestacional precoce, taxas mais elevadas de parto por cesárea, complicações obstétricas de alto risco, além de taxas de mortalidade materna e neonatal mais elevadas, bem como um aumento na ocorrência de malformações congênitas”, alerta o médico.

 

O ganho de peso que leva à obesidade é consequência de um balanço energético positivo, que pode resultar do aumento da ingestão energética, diminuição do gasto energético ou ambos. “Esse desalinhamento pode ser pensado como uma falha dos mecanismos homeostáticos do corpo. Mas, os hábitos alimentares atuais têm importante contribuição nesse processo porque hoje há maior disponibilidade de alimentos processados e industrializados. O consumo excessivo desses produtos podem gerar diversos problemas à saúde, incluindo a obesidade”, aponta o ginecologista.

 

Fertilidade

 

No que se refere à saúde reprodutiva, a obesidade exerce um impacto negativo significativo sobre a fertilidade e a contracepção devido a suas alterações metabólicas, tais como hiperinsulinemia, hiperleptinemia, resistência à insulina e hiperandrogenismo. A manutenção da leptina em níveis normais (um hormônio produzido pelos adipócitos que circula em concentrações proporcionais à massa de gordura corporal e desempenha um papel fundamental na regulação do equilíbrio energético) é essencial para o funcionamento adequado das funções tanto no hipotálamo quanto nos ovários.

 

“Níveis reduzidos de leptina podem interferir na pulsatilidade do hormônio liberador de gonadotropina (GnRH), enquanto níveis elevados desse hormônio podem perturbar a pulsatilidade ovariana e a foliculogênese, levando à infertilidade. Além disso, a obesidade  afeta adversamente a saúde materna, especialmente quando há ganho de peso excessivo durante a gravidez. Mulheres jovens e obesas enfrentam desafios adicionais durante a gestação, especialmente em países em desenvolvimento onde os cuidados ginecológicos podem ser deficientes”, alerta o médico.

 

Obesidade e a Síndrome dos Ovários Policístico (SOP)

 

O Dr. Jan Pawel explica que o aumento no peso corporal e no tecido adiposo está associado a anormalidades nos níveis de esteroides sexuais em mulheres na pré-menopausa e na pós-menopausa, e mulheres com obesidade central têm níveis circulantes de androgênios mais elevados, mesmo na ausência de um diagnóstico clínico de síndrome dos ovários policísticos (SOP).

Essas mulheres têm níveis de testosterona total e livre mais altos do que mulheres com peso adequado, e níveis mais baixos de androstenediona e SHBG. Alguns estudos científicos apontam as correlações entre os níveis de testosterona total e as características fenotípicas do hiperandrogenismo, como o hirsutismo. “Acredita-se que o momento da menarca seja afetado principalmente por fatores genéticos, mas a idade média da primeira menstruação dessas meninas tem diminuído, nos últimos 30 anos, em conjunto com mudanças no estado nutricional. Importante lembrar que um dos distúrbios reprodutivos mais comuns em idade fértil, e a principal causa de infertilidade, a SOP, mostra grande correlação com a obesidade visceral”, explica o especialista.

Tratamento

 

“Primeiramente entender que obesidade é uma doença crônica, e envolve processos muito mais complexos do que o acúmulo passivo de calorias. Não se trata do resultado de características pessoais negativas, como gula, preguiça, autoindulgência e falta de força de vontade, mas sim de um organismo tentando defender seu “peso corporal habitual”, desequilibrado por inúmeros fatores genéticos, comportamentais e/ou ambientais”, enfatiza Dr. Jan Pawel.

 

Dado que vários fatores desempenham um papel na origem da obesidade, uma equipe multidisciplinar composta por médicos, nutricionistas, psicólogos e fisioterapeutas é essencial.

Page 4 of 76

Para otimizar sua experiência durante a navegação, fazemos uso de cookies. Ao continuar no site consideramos que você está de acordo com a nossa Política de Privacidade.

Aceitar e continuar no site