Logo site Minha Vida

Cesariana humanizada existe e pede cuidados para ser feita

abr 25 • Clipping • 2849 Views • Comentários desativados

Caso o parto normal não seja possível, o obstetra pode realizar o parto cesariana de uma forma mais próxima do nascimento pela via vaginal

O parto cesariana humanizado permite que o pai ou acompanhante escolhido pela mãe esteja presente na hora do nascimento. Além disso, permite, sempre que possível que logo após o nascimento, caso o bebê esteja em boas condições, que o coloquem imediatamente ao lado da mãe, com o principal objetivo de estimular o aleitamento materno neste momento. Diferentemente de uma cesárea normal, a mãe passa a ser mais valorizada e participante do momento. O médico costuma narrar tudo que está acontecendo, abaixando os campos cirúrgicos para que ela possa ver seu filho nascendo.

A principal vantagem desse tipo de parto é o estímulo para amamentação dar certo, pois quanto mais cedo começar, maiores são as chances. O ideal é que aconteça na primeira hora.

O ambiente para o parto humanizado deve ser de total conforto, porém, sempre em ambiente hospitalar, no centro cirúrgico, evitando no caso, o uso excessivo do ar condicionado.

Na cesárea humanizada, o ideal é que o procedimento chegue o mais perto possível do conceito de um parto normal. O corte costuma ser do mesmo diâmetro de uma dilatação vaginal (aproximadamente 10 centímetros) e o bebê é retirado bem devagar, sem que o corte do cordão umbilical seja imediato. Após isso, o bebê pode ir direto para o colo da mãe e começar a mamar, para que a separação dos dois não seja tão rápida e os primeiros cuidados sejam feito ali mesmo, ao lado da mãe, enquanto a equipe termina o procedimento.

Mesmo sendo uma cesárea humanizada, os ginecologistas precisam ficar atentos ao momento em que o procedimento deve ser feito. Existem indicações básicas para que a cesárea aconteça, como por exemplo, mulheres que já fizeram duas cesáreas anteriormente e que tem maiores riscos de parto normal, já que as contrações aumentam o risco de ruptura do útero. Outro exemplo é quando o bebê não está com a cabeça para baixo, se encontrando em apresentação cefálica. O acompanhamento do trabalho de parto é feito através do partograma, um tipo de gráfico que controla se as contrações, dilatação, batimentos cardíacos fetais, entre outros parâmetros estão adequados a cada hora ou meia hora, surgindo critérios para indicação de cesárea nestes casos, quando o trabalho de parto falha.

Comments are closed.

« »